Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Novembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
11 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 11 Visitantes :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

"Cidades inteligentes" preocupam-se com a felicidade dos residentes

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

"Cidades inteligentes" preocupam-se com a felicidade dos residentes

Mensagem por Admin em Seg Jun 06, 2016 6:25 pm

LEONARDO NEGRÃO / GLOBAL IMAGENS


Cidadãos têm direito de contribuir para beneficiar a cidade, defendem especialistas que participam hoje na Conferência Zoom Smart Cities em Lisboa

As "cidades inteligentes" devem preocupar-se com a felicidade dos cidadãos, para além do desenvolvimento tecnológico, envolvendo-os nos processos de tomada de decisão sobre o território, defenderam especialistas internacionais que participarão na conferência Zoom Smart Cities em Lisboa.

"Uma cidade que não ouve os habitantes não pode ser inteligente", afirmou à agência Lusa Saskia Beer, arquiteta e empresária em transformação urbana, com sede em Amesterdão, frisando que os cidadãos têm o direito de contribuir com ideias e soluções para o bairro onde vivem.

Para Saskia Beer, uma 'smart city' ajuda a estimular as pessoas, as empresas e as instituições a trabalharem em conjunto para desenvolverem projetos que beneficiem a cidade, participando de forma ativa na toma de decisões sobre o território, ou seja, "os cidadãos são coprodutores e não meros consumidores".

A arquiteta considerou ainda que uma cidade inteligente "é uma cidade feliz", em que os habitantes têm liberdade e privacidade para a viverem como querem.

Neste sentido, a socióloga holandesa Saskia Sassen, professora na Universidade de Columbia (Nova Iorque, Estados Unidos da América) e especialista em globalização e migração urbana, defendeu que os moradores devem sentir que a cidade lhes pertence, o que nem sempre acontece, contando à Lusa que quando viaja pelo mundo e pergunta aos moradores "De quem é a cidade, afinal?", cada vez mais a resposta é: "Eu não sei, mas não é minha".

Segundo a socióloga Saskia Sassen, "a maioria das cidades chamadas de 'smart cities' não são inteligentes o suficiente", uma vez que não têm o controlo central sobre as capacidades digitais incorporadas em edifícios e sistemas, porque os comandos centrais estão a maioria das vezes nas mãos das empresas privadas que venderam a tecnologia à cidade.

A especialista em globalização e migração urbana afirmou também que um dos maiores desafios que as cidades enfrentam "é a desigualdade" socioeconómica, acrescentando que uma cidade inteligente tem que "mobilizar os moradores para um envolvimento mais ativo com a tecnologia".

Sobre os melhores exemplos de 'smart cities', Saskia Sassen frisou que "há cidades que têm trabalhado arduamente na incorporação de recursos de tecnologia em todos os tipos de sistemas", destacando o trabalho de Paris (França).

Responsável do 'Forum Smart City', que visa proporcionar o modelo tecnológico e empresarial para uma cidade inteligente sustentável e viável, Carl Piva definiu como 'smart city' uma cidade que se centra na"habitabilidade para os cidadãos, empregabilidade para as empresas e sustentabilidade para a cidade".

Carl Pina defendeu que as cidades devem compartilhar soluções padronizadas, assim como disponibilizar uma plataforma de dados de informação, que permita às empresas locais e internacionais criarem projetos inovadores.

"A cidade deve ser projetada para melhorar a felicidade dos cidadãos", reforçou o responsável do 'Forum Smart City', explicando que tem que abordar em conjunto as áreas relacionadas com a liderança, a governança,o conhecimento, os dados, o financiamento e as tecnologias de informação e comunicação.

De acordo com Carl Pina, "as cidades estão a tornar-se mais importantes do que as nações, quase como as cidades-Estado na era romana", acreditando que no futuro as 'smart cities' vão ser "verdes, com centros vibrantes para pessoas criativas e comunidades fortes capazes de formar um modelo de economia partilhada".

A arquiteta Saskia Beer, a socióloga Saskia Sassen e o líder do 'Forum Smart City' Carl Pina são alguns dos especialistas internacionais que vão participar na conferência internacional Zoom Smart Cities, que se realiza em Lisboa, durante quarta e quinta-feira, contando com mais de 40 oradores e com a participação de cerca de 350 pessoas.

16 DE MAIO DE 2016
10:52
Lusa
Diário de Notícias 

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum