Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Novembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
10 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 10 Visitantes :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Na Costa Alentejana, pelo menos, estrangeiros trabalham subjugadamente

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Na Costa Alentejana, pelo menos, estrangeiros trabalham subjugadamente

Mensagem por Admin em Ter Jun 07, 2016 4:18 pm



Podemos estar perante uma nova espécie de subjugação laboral. Na costa alentejana existem produtores de frutos vermelhos, principalmente de morangos e framboesas, que se servem da mão-de-obra de migrantes clandestinos, sem permissão de residência em Portugal. Que impõem uma jornada de trabalho superior a 10 horas e que recebem semanadas abaixo dos 100 euros.

Basta esperar pelo crepúsculo e fazer umas incursões por estradas secundárias ou mesmo caminhos de terra batida, na zona da Zambujeira do Mar para nos depararmos com nepaleses, oriundos do Bangladesh, caucasianos e da África subsariana que trabalham nas estufas de frutos vermelhos indiferenciadamente. São todos homens, aparentando ter menos de 40 anos, de poucas conversas e que não conhecem a nossa língua. Evitam exporem-se e os locais mais públicos. Em hora e meia, percebemos onde vivem alguns. As condições são miseráveis. Não recebem mais de 350 ou 400 euros mensais e nem sequer têm qualquer protecção de saúde ou podem recorrer à farmácia. Alguns são ajudados por famílias locais de mais idade que evitam falar do assunto.

Há quem não entenda como é que a Guarda Nacional Republicana faz de conta que não conhece a situação e não promove a intervenção do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) ou mesmo a Autoridade das Condições de Trabalho (ACT). Em conversa de café, percebemos que estamos a lidar com pequenas redes de tráfico de mão-de-obra que encontram parceria com agricultores portugueses que nem sequer têm ligação à região, são de outras partes do País e ex-empresários de outros sectores, muitos da construção civil que tiveram de mudar de ramo por dificuldades financeiras e terão conseguido alguns apoios financeiros para desenvolver o negócio. Uma outra desconfiança é que estes produtores podem estar a servir uma ou duas multinacionais do ramo que operam no Alentejo e Algarve.

Por José Maria Pignatelli
Terça, 07 Junho 2016 10:36
Revista Festa

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum