Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

cmtv  cais  tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Janeiro 2018
DomSegTerQuaQuiSexSab
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031   

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
7 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 7 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

POLÍTICA: O exit é um luxo a que poucos de podem dar

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

POLÍTICA: O exit é um luxo a que poucos de podem dar

Mensagem por Admin em Dom Jun 26, 2016 12:28 pm

O grande falhanço da nossa vida democrática e da nossa integração está na incapacidade que temos demonstrado para reformar as nossas instituições e as nossas elites.

Sobre o referendo britânico já muitos e muito mais habilitados do que eu fizeram a sua análise, também aqui no Observador.

Ainda é cedo para perceber se a Europa vai ler devidamente o grito dado pelos eleitores britânicos ou se segue com o “business as usual” pelo facto do Reino Unido sempre se ter colocado com meio pé fora da União. Talvez a saída do país desta Europa tivesse mesmo que acontecer, mais cedo ou mais tarde.

A saída dos britânicos terá, naturalmente, um impacto económico muito para além da natural “espuma” dos mercados nestes primeiros dias de choque. Mas o impacto político deverá, ainda assim, ser maior. E talvez o mais importante seja a caixa de Pandora que se abre. A saída de um país da UE – logo o Reino Unido e como resultado de uma consulta popular num contexto que não é de emergência política, económica ou social – mostra que é possível sair e em poucas horas ouvimos várias vozes partidárias em vários países a pedir também a consulta popular aos seus cidadãos. É certo que esses apelos vieram de partidos extremistas, xenófobos, – em França, na Holanda e na Itália – prontos a cavalgar essa onda. Mas é prudente não arrumar essa questão na gaveta dos desvarios da extrema direita, seguindo em frente como se a questão britânica não tivesse um potencial de contágio. O risco de desintegração da União existe e nunca foi tão acentuado como agora.

Foi seguindo esta linha que tentei imaginar Portugal num cenário extremo de desmantelamento da União Europeia como a conhecemos: um espaço de livre comércio, de soberania partilhada na maior parte das matérias, de livre circulação de pessoas, bens e dinheiro e em que uma maioria usa a mesma moeda.

É que isto de ficar de fora não é a mesma coisa para todos. A ideia de recuperar toda a soberania pode ser entusiasmante. A perspectiva de deixar de obedecer a regras comuns na economia, na política orçamental e na regulação das mais variadas áreas pode cativar. A noção de enorme aumento dos graus de liberdade na execução de políticas e na condução do nosso destino pode fazer sonhar muita gente.

Mas antes de suspirarmos pela liberdade e autonomia é importante saber o que poderíamos e saberíamos fazer com elas.

Temos, enquanto regime democrático, uma curta experiência fora da União Europeia. Durou cerca de uma década e foi suficientemente atribulada para não deixar saudades: dois resgates do Fundo Monetário Internacional, inflação elevada, pobreza, uma economia subdesenvolvida, altamente regulamentada e estatizada e pouco ou nada competitiva, empresas obsoletas e atrasadas – por exemplo, o trabalho infantil era uma vergonhosa chaga em muitos dos nossos sectores tradicionais.

O progresso e a modernização chegaram, precisamente, com a adesão à então CEE e por força da necessidade de lá chegar.

Os dois períodos de maior crescimento económico e de convergência com a Europa que tivemos desde o início dos anos 70 estão inequivocamente associados a dois momentos do processo de integração. O primeiro, na última metade da década de 80 e início da de 90, foi a própria adesão à CEE, as reformas económicas e sociais que esse passo induziu e o investimento com a preciosa ajuda dos fundos comunitários.

O segundo, na segunda metade da década de 90, foi a caminhada para o euro, com metas impostas e vigiadas por Bruxelas, e a consequente credibilização do país que levou a uma quebra de taxas de juro que deu folga para tudo – até demais, como agora sabemos.

Penso que será consensual que fora da Europa o nosso destino teria sido muito pior, mesmo apesar da crise da última década, do resgate e da austeridade.

E hoje, após 30 anos de integração, estamos melhor preparados do que estávamos então para conseguirmos viver condignamente fora da União? Não me parece.

O grande falhanço da nossa vida democrática e da nossa integração está na incapacidade que temos demonstrado para reformar as nossas instituições e as nossas elites.

Todos os dias vamos tendo sinais disso. Quando discutimos a Caixa Geral de Depósitos ou puxamos o fio das ligações do Grupo Espírito Santo. Quando percebemos que os governantes continuam sempre mais preocupados com a próxima eleição do que com a próxima geração — duas excepções: o governo de Bloco Central liderado por Mário Soares em 1983-85 e o de Passos Coelho, que tiveram que lidar com um resgate e fazer o país recuperar a soberania financeira e económica à custa de medidas draconianas. Quando assistimos passivamente ao acumular de casos motivados pela porta giratória entre funções públicas e cargos privados. Quando convivemos com finanças partidárias e financiamentos de campanhas eleitorais que são uma mentira que gostamos de manter. Quando olhamos para a Justiça e a vemos lenta, burocrática e mais preocupada com as suas corporações do que em servir os cidadãos de forma digna. Quando continuamos sem resolver eficazmente a questão das incompatibilidades entre cargos públicos e privados, fazendo do Parlamento muitas vezes um centro de representação de interesses ilegítimos. Quando falhamos em dar estabilidade ao essencial da política fiscal ou das regras do ensino e programas curriculares. Quando mantemos à mesa do orçamento os mais diversos interesses parcelares, que vão de grupos económicos que preferem viver de rendas a corporações representadas por sindicatos.

Tudo isto tem um custo e constitui um lastro que trava o desenvolvimento, a inovação e a competitividade, prolongando a falta de exigência, a irresponsabilidade e a impunidade. Se temos fracas instituições e elites incompetentes os resultados nunca poderão ser bons. Deixados apenas entregues à nossa sorte mais facilmente veria o país a aproximar-se dos padrões populistas da América Latina do que da consistência e desenvolvimento do Norte da Europa.

A União Europeia tem muitos defeitos, tem ainda défices democráticos importantes e tem sido construída muito nas costas dos cidadãos. Tem algumas regras estúpidas e é burocrática. Mas como não somos o Reino Unido, com as suas instituições, competitividade e economia globalizada, a Europa é para nós o que a democracia era para Churchill: é o pior regime onde podemos estar se excluirmos todos os outros.

Jornalista, pauloferreira1967@gmail.com

Paulo Ferreira  
26/6/2016, 7:38
Observador

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16761
Pontos : 49160
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 31
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum