Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Agosto 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
20 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 20 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Esta "Portugalidade" nova que nos pastoreia

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Esta "Portugalidade" nova que nos pastoreia

Mensagem por Admin em Seg Mar 13, 2017 12:04 pm

O radicalismo que domina presentemente o Estado e a sociedade, pelo menos os principais "meios" de decisão pública, anda a dar caça a tudo o que ressuma independência de espírito. Seja essa independência de ordem pessoal, institucional ou, desejavelmente, as duas. A diferença para o que se passou entre 1974 e 1975 é que, nessa altura, o PS campeava pelas liberdades públicas contra o que tinha acabado (a Ditadura) e contra o que podia ter começado (um "frentismo popular" liderado pelo PC e pela extrema-esquerda militar). O PC, ironicamente, conseguiu agora o que o fez abandonar, no Verão precário de 1975, uma coisa chamada "frente de unidade revolucionária", a FUR: juntar o PS àquilo a que sempre apelidou de "forças democráticas e progressistas". E, mais do que juntar o PS, tê-lo na mão (e à mão) a liderar um governo apoiado pelos herdeiros da FUR. Os sinais adensaram-se nas últimas semanas com os conluios "cesaristas" contra o governador (independente) do Banco de Portugal, contra o Conselho de Finanças Públicas (independente), contra as comissões parlamentares de inquérito incómodas para o poder e contra a opinião livre. Tudo é imediatamente conotado com a "Direita" e, em momentos de pulhice bloquista, com a "extrema-direita". O presidente da República, pela primeira vez no regime e muito satisfeito, parece estar mais com uns do que com outros quando o sistema constitucional em vigor o presume presidente de todos. Mas a "portugalidade" política contemporânea - para recorrer à designação de um grupo de estudos interessado numa "nova" e que foi proibido pelo radicalismo institucional, em nome da "concessão permanente ao idiota" de promover uma conferência com Jaime Nogueira Pinto - deu nisto e exclui parte significativa do país. Como escreveu Miguel Tamen, também eu "não acredito em profissões de fé na identidade de países, e com certeza na do meu". Todavia não tenho nada a opor a que outros acreditem. Também nunca fui dado a Junqueiro. E hoje tendo a dar-lhe alguma razão. Portugal "dura, mas não existe", "não existe moralmente". Estamos como o personagem João Vuvu, de João César Monteiro, que, sentado com o filho ex-presidiário à beira Tejo, antes de o atirar à água ("vai chamar pai a outro"), comenta o "estado das coisas": "não se nasce português, fica-se português". Ora para ficar português, português desta "portugalidade" nova, radical e neofascizante da maioria, antes ficar outra coisa qualquer.

JURISTA

O autor escreve segundo a antiga ortografia

João Gonçalves
Hoje às 00:03
Jornal de Notícias

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum