Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Dezembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
18 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 18 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Crescimento, políticas públicas e felicidade

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Crescimento, políticas públicas e felicidade

Mensagem por Admin em Qui Mar 16, 2017 12:11 pm

O desenho e desempenho das políticas públicas, nomeadamente das económicas, tem que ser avaliado não em aumentos do PIB, mas nos efetivos acréscimos no bem-estar das populações.

A discussão institucional e mediática em torno daquilo que deve nortear a actuação governativa e as políticas públicas, tende a cristalizar-se na ideia de que o crescimento económico é o objectivo que todos temos que almejar.

Muito influenciada por uma visão dogmática e infundamentada, trazida da economia para a política e para a sociedade, consolidou-se a tese de que o crescimento económico é uma espécie de panaceia, capaz de combater todos os males da sociedade. Assim, as nações que crescem economicamente são as que prosperaram, as que têm bem-estar, as que são felizes. As que não crescem ou entram em recessão estão na rota da pobreza e da infelicidade.

Como grande parte das teses falaciosas, esta tem doses de verdade. É verdade que o crescimento económico pode trazer acréscimos de bem-estar e que, tendencialmente, as recessões produzem infelicidade. Porém, a ligação entre crescimento económico e felicidade é muito complexa e existem casos em que a prosperidade económica não equivale a felicidade, nem a estagnação material a infelicidade.

Um dos grandes desenvolvimentos científicos do século XXI tem sido, precisamente, o estudo sistematizado e robusto da felicidade. Hoje, discutir e descobrir os determinantes da felicidade já não é uma questão de “achismos” mas sim uma questão científica, conta já com milhares de referências bibliográficas.

Na ciência económica, os estudos sobre a relação entre felicidade e crescimento económico têm sido publicados nas melhores revistas da área, sendo a conclusão quase sempre a mesma: sociedades mais ricas tendem a ser mais felizes, mas, a partir de certos níveis de riqueza, a relação começa a desvanecer. Mais importante, existem outras dimensões da vida que são tão ou mais determinantes do bem-estar: a qualidade das relações interpessoais, a qualidade das instituições, o bom funcionamento da democracia ou a liberdade individual. E não está garantido que quando há crescimento económico essas outras variáveis não se deteriorem (Ex: casos em que se degradam as relações humanas em nome da produção).

Todo este conhecimento tem sido utilizado para construir novos indicadores de progresso e para calibrar políticas públicas. Mas há ainda muito trabalho pela frente. Por isso, não me canso de insistir: se o grande desígnio das sociedades é a felicidade para todos – o que implica a adesão aos valores humanistas –, tudo tem que ser calibrado em nome dessa mesma felicidade.

Assim, o desenho e desempenho das políticas públicas, nomeadamente das económicas, tem que ser avaliado não em aumentos do PIB, mas nos efectivos acréscimos no bem-estar das populações. Hoje, já temos as ferramentas científicas que nos permitem fazer essa avaliação e calibração. Só nos resta pôr tudo isto, verdadeiramente, em prática.

O autor escreve segundo a antiga ortografia.

Gabriel Leite Mota, Professor Universitário de Economia
 00:08
Jornal Económico

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum