Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Outubro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
17 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 17 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Pensar o emprego científico

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Pensar o emprego científico

Mensagem por Admin em Qui Mar 16, 2017 12:19 pm

A Comissão Parlamentar de Educação e Ciência tem em mãos a melhoria do diploma do Emprego Científico (DL 57/2016). Foi importante que o Parlamento tenha chamado a si este diploma. Manuel Heitor cometeu erros crassos, que o fragilizaram (e muito). Foi salvo pelos partidos que apoiaram a formação do governo, estando por verificar se compreendeu esse auxílio.

No teor das propostas conhecidas há um marco que se conseguiu instaurar (graças também à ação do GP-PS), reorientando para a inserção na carreira. É um ponto de consenso à esquerda, que permite a consolidação de um sistema em envelhecimento. Algumas dúvidas do CDS-PP devem ser vencidas, a bem da defesa do interesse nacional. Sem um sistema científico estável e com condições, Portugal torna-se um país frágil. Olhar para os EUA é verificar a força das suas agências de Estado, fundamento do seu desenvolvimento. As questões de sustentabilidade implicam reforçar o consenso sobre a ciência, uma qualidade herdada de Adriano Moreira.

O PSD pode fazer a diferença fundamental, permitindo retirar algo de positivo de uma pasta que não lhe correu bem quando esteve no governo. A visão de valorização, com vencimentos competitivos a nível internacional (que existia no programa Investigador FCT), permite uma política de captação de talentos, impedindo a política de desvalorização e baixos salários de Manuel Heitor (pior, só os docentes de baixo custo propostos por um certo reitor).

O consenso alargado sobre o valor da ciência é por vezes quebrado por um lugar-comum que vem de tempos idos. Insiste-se num Portugal pobre, de nichos exclusivos. Um erro tão mais grave quanto o quadro de qualificação alargada que tem vindo a sair por culpa de tal ideia.

Pensar é vencer lugares-comuns. Como o de que o emprego científico deve ser precário para aumentar a produtividade. É falso. Veja-se o que diz a European Science Foundation. A precariedade é propensa a métricas. Reflete a procura pelo que permite alcançar o lugar estável. Tais métricas podem esconder uma produção estéril. Contudo, a ESF demonstra que os investigadores de carreira não só mantêm as dinâmicas de publicação como produzem com maior impacto social e económico, incluindo maior entrosamento na comunidade e influência nas decisões públicas. Em ciência a estabilidade é fundamental, permitindo uma maior e melhor produtividade.

Sabemos o que se fez de errado. Subverteram-se as bolsas (um apoio à formação) utilizando-as como instrumento de contratação. Um conjunto de interesses e de circunstâncias ditou que a contratação por fundos europeus se concentrasse na figura do bolseiro. Desvalorizou-se, precarizou-se e descapitalizou-se a Segurança Social, de tal forma que em breve teremos mesmo investigadores de nível mundial com reformas de valor mínimo.

Os estudos da OCDE apresentam Portugal como o pior nos níveis de precariedade dos mais qualificados, seja na economia em geral seja no espaço do ensino superior e ciência. Uma desvalorização da qualificação, que nos condena.

O estudo da ESF demonstra o problema maior: as economias do Sul da Europa possuem um crescimento em muito alimentado pelo crescimento do turismo (restauração, alojamento), o que contrasta com o dos países do Norte. O resultado é a emigração qualificada do Sul para o Norte, descapitalizando de investimento e acentuando o carácter periférico.

Há uma diferença entre economias que criam o smartphone e as que apenas desenvolvem aplicações para o smartphone. A capacidade do sistema tecnológico, científico e de ensino superior é a chave para as primeiras. Um ensino superior e ciência fortes são matéria que exige condições e recursos, possuindo outros agentes a nível global capacidade política e financeira para os fazer afirmar. É geopolítica.

Não podemos condenar o Sul da Europa à mera reprodução e aplicação do que é desenvolvido no Norte, ou à circulação em passeio de notáveis. É necessária uma rede consistente e sustentável, com fileiras de formação e pesquisa, orientada para dar resposta aos desafios societais, que permitem os avanços que nos capitalizam. Temos de o orientar para tal, definindo-o. Viciar na aplicação de inovação incremental é atrofiar para perder. Desbaratar pessoal qualificado no remedeio do imediato é um erro. Ser incauto é usar a galinha dos ovos de ouro para fazer canja, ou arroz de cabidela.

Docente do Ensino Superior e Presidente da Direção do SNESup

16 DE MARÇO DE 2017
00:00
Gonçalo Leite Velho
Diário de Notícias

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum