Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Agosto 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
14 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 14 Visitantes :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Percepção

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Percepção

Mensagem por Admin em Sex Mar 17, 2017 11:51 am

O desenvolvimento de tecnologia de encriptação e registo dos pagamentos é um mundo novo ainda desconhecido, mas com efeitos que já são reais.

Em Dezembro de 2015, e após sete anos de taxas zero e de 4 mil milhões de dólares em compras de dívida pública e privada, a Reserva Federal (FED) deu início a uma subida sustentável dos juros. Este processo deverá ser agora acelerado tendo em conta as perspectivas de investimento público e crescimento americanos. O BCE, que normalmente segue o caminho da FED com quatro anos de atraso, irá também alterar a sua política monetária, o que implica uma subida gradual das taxas de juro a partir de 2018. Para os governos endividados este será um entrave ao crescimento, uma vez que os custos com o serviço da dívida e os juros pagos tenderão a aumentar.

No caso dos EUA, por cada 1% de aumento na taxa de juro o governo terá de pagar mais 200 mil milhões de dólares em juros. Em Portugal, um aumento desta natureza implicaria pagar mais 2,4 mil milhões de euros por ano, ou seja, metade do défice de 2016. Fica claro que os orçamentos dos países muito endividados não aguentam um ritmo acelerado na subida dos juros, uma vez que consume recursos destinados ao investimento. No entanto, se esta subida for percepcionada como uma alteração da política monetária pode trazer efeitos positivos no curto prazo, visto os consumidores anteciparem a compra de bens e, por esta via, os pedidos de crédito, garantindo uma taxa, ou spread, mais baixa. Dois exemplos: a venda de imóveis para arrendamento ou a compra de automóveis.

A subida dos juros dará também origem a uma discussão profunda acerca da capacidade de pagamento da dívida actual e de um perdão global. Aqui, as moedas virtuais têm tido um papel essencial. As alterações significativas que irão ocorrer no sector financeiro ao nível dos pagamentos nos próximos cinco anos, a incerteza quanto às consequências dos juros baixos, a busca de anonimato ou, simplesmente, a constituição de um sistema alternativo de pagamentos têm vindo a atrair muito dinheiro para as moedas electrónicas, percepcionadas como uma alternativa ao dinheiro físico. O desenvolvimento de tecnologia de encriptação e registo dos pagamentos é um mundo novo ainda desconhecido, mas com efeitos que já são reais. A euforia chegou a moedas como o Ethereum, que triplicou de preço desde o início do ano, valendo mais de 25 euros cada, e ao Bitcoin, que já vale mais do que uma onça de ouro.

O mundo irá mudar radicalmente e tanto os governos e como o sector financeiro não poderão escapar a esta onda de inovação. Entretanto, procuramos culpados em vez de discutirmos o sistema em si, nomeadamente os conflitos de interesse instalados e, sobretudo, o futuro.

O autor escreve segundo a antiga ortografia.

Pedro Lino, Economista
 00:11
Jornal Económico

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum