Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Setembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
10 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 10 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

“Estou a Pagar”

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

“Estou a Pagar”

Mensagem por Admin em Sex Mar 17, 2017 11:53 am

A critica é legitima, salutar quando construtiva e um direito que pode e deve ser exercido por quem quiser com inquestionável liberdade.

É frequente ouvir esta ousada expressão. Quando os seus autores deitam mão desta bengala, com espírito crítico, fazem-no para maldizer qualquer coisa que não correu bem ou correu pior do que se esperava. Vai daí o “estou pagando”. Referindo-se aos impostos que eventualmente desembolsarão. Mas é preciso alguma serenidade e ponderação antes de se produzirem estas, de quando em vez, extemporâneas e demagógicas afirmações. Porque, se calhar, quem as profere pode bem ser dos que não pagam nada.

Logo, em primeiro lugar, nem toda a gente tem encargos tributários apesar de parecer que sim. São cerca de 40% os portugueses que efectivamente concorrem para a colecta fiscal do país. Já aqui ficam 60% sem legitimidade para usar aquele bordão. Mas atenção, não cumprem nem tinham que o fazer. A razão é simples e dolorosa, ainda há muita gente a ganhar mal em Portugal.

Por outro lado há os que fogem ao fisco. Uns de forma legal, mas quantas vezes imoral. Outros deliberadamente, o que constitui crime. Esses também ficam de fora. Não podem usar a bengala. Mas alguns usam. E abusam. Indevidamente. E com frequência são os piores.

Resumindo, a expressão “nós contribuintes”, de quando em vez não é rigorosa e não corresponde à realidade. Porque, como já se viu, nem todos o são de facto.

Por outro lado, e trata-se de uma questão lateral mas curiosa, nalgumas ocasiões, em lugar de “estou pagando” talvez fosse mais certo dizer “estou devendo”. Estamos a falar de dívida pública. Que naturalmente vai sendo amortizada. Nesse caso os contribuintes podem dizer que estão a pagar e têm legitimidade para isso. Mas, em lista de espera, pode estar uma ou outra obra ou um ou outro gasto com algum serviço. E, nessa circunstância, estamos devendo. E, aí, o contribuinte pode criticar é porque temos uma dívida. Então ou fazem a apreciação negativa porque estamos devendo, e temos uma dívida, ou porque estamos a cumprir e nesse caso já se podem queixar de que estão a pagar. Ou uma ou outra. Com ressalva para os juros, que não são com certeza o motivo para as, por vezes, desadequadas declarações do género que temos vindo a referir.

Mas voltemos à questão principal em torno dos que verdadeiramente contribuem, acarretando com as despesas que se realizam com a generalidade das pessoas.

Se alguém dá entrada no hospital bêbado, quem comparticipa para que lhe seja curada a bebedeira? E se chegar lá drogado ou mesmo com uma “overdose”, quem suporta a desintoxicação? E na escola quando chumbam mais do que passam, quem sustenta o desleixo ou negligência? E na estrada, quando se fazem buracos, derrubam muros ou protecções, quem assume os gastos com os consertos? E quando estragam e danificam os caixotes do lixo públicos, quem custeia a reposição? E o acesso universal à saúde e à educação por todos, apesar de só parte concorrer para a realização desse fim, quem se responsabiliza financeiramente? Incluindo os hospitais, centros de saúde, escolas, universidades, quem satisfaz os encargos derivados e inerentes?

Como naturalmente percebem são só alguns exemplos dos muitos que, a propósito, poderiam ser listados.

O que é certo é que, no fim, todos pagamos. E quando aqui digo todos refiro-me aos tais 40%.

É evidente que há sempre coisas que correm mal e que podiam ter evitado estarmos a dever ou a pagar. Mas os imponderáveis acontecem. Quando se corre o risco de fazer.

Mas também quando se cometem imprudências individuais. Como algumas das que se exemplificam acima.

E se formos a ver bem, são os realmente tributados que acabam por se responsabilizar fiscalmente pelas ocasionais infelicidades do conjunto dos cidadãos. Os que pagam e os que não pagam impostos. Os que são e os que não são contribuintes.

A verdade é que de modo crescente me parece que quem mais diz, com alguma presunção, que “está pagando” é quem menos paga. E quem menos faz pelo próximo. E depois, como expiação e catarse, utilizam o refrão de forma excessiva, em relação ao que é feito para os outros com a melhor das intenções.

A critica é legitima, salutar quando construtiva e um direito que pode e deve ser exercido por quem quiser com inquestionável liberdade. O que já não pode ser usado por todos é o argumento. Porque, não vá o diabo tecê-las, pode se tratar de um dos que, afinal, não paga nada.

JOÃO CUNHA E SILVA / 17 MAR 2017 / 02:00 H.
Diário de Notícias da Madeira

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum