Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Novembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
15 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 15 Visitantes :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Ideologia? Neoliberalismo? Não, é muito mais simples

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Ideologia? Neoliberalismo? Não, é muito mais simples

Mensagem por Admin em Dom Mar 19, 2017 12:03 pm

Confesso que não entendo a comoção nacional com as declarações de Assunção Cristas. Pouco ou nada do que a líder do CDS revelou, acerca da relação do anterior governo com o sistema financeiro, é verdadeiramente novo ou surpreendente. Basta ter alguma memória. Quer no auge da crise do BES/GES quer aos primeiros sinais de sobressalto com o Banif, as declarações de Passos, Gaspar ou Maria Luís sempre foram cristalinas - o governo não iria imiscuir-se nos assuntos da banca privada. Tanto assim foi que ficaram por gastar cerca de metade dos 12 milhões de euros que o programa de assistência previa para a estabilização da banca.

Ao longo de toda a legislatura, Passos Coelho sempre deixou claro que o sistema financeiro era tema em que não iria interferir. Por uma questão de convicção, porque era negócio privado e o Estado nada tinha que ver com isso.

Ora, permitam-me recuperar um pedaço de prova de que nem tudo foi ideologia, nem tudo foi convicção e que houve razões bem práticas para esse comportamento do governo PSD-CDS. Em dezembro de 2015 dei notícia, ainda na TSF, de uma carta da comissária europeia da Concorrência, datada de 10 de dezembro de 2014 e dirigida a Maria Luís Albuquerque (a notícia pode ser encontrada online, basta googlar "banif saída limpa comissária europeia", e está lá uma cópia da carta). Margrethe Vestager agradecia uma reunião com a ministra das Finanças em Lisboa, a 21 de novembro de 2014, para falarem de ajudas estatais em Portugal e do caso Banif. A comissária lembrava que desde que a Comissão Europeia aprovara temporariamente o plano de recapitalização do banco, em janeiro de 2013, o Banif tinha apresentado diversos planos de reestruturação, mas avisava que esses planos ainda não cumpriam os requisitos de compatibilidade com as regras europeias.

Mais importante para o que tem sido discutido nos últimos dias, nessa mesma carta a comissária europeia afirma, preto no branco, que tinha "consciência de que têm sido concedidos ao banco [Banif] prazos adicionais para lidar com estes assuntos [plano de reestruturação]. Isso foi motivado por preocupações em relação à estabilidade do sistema financeiro, e mais recentemente com a intenção de não pôr em risco a saída do país do Programa de Ajustamento Económico e Financeiro".

Estamos conversados? Não. Há mais. A carta termina a lembrar a resolução do BES, a avisar que seria delicado defender prazos de intervenção diferentes para problemas semelhantes, sobretudo tendo em conta a dimensão do Banif. Margrethe Vestager conclui a carta com um aviso a Maria Luís: "A necessidade de ação rápida é, portanto, ainda mais presente." Estávamos em 10 de dezembro de 2014, e o Banif só foi vendido ao Santander, com intervenção do atual governo, mais de um ano depois, a 20 de dezembro de 2015.

Mais do que uma preocupação ideológica, portanto, fica claro que a política de não interferência na banca foi sobretudo instrumental, ajudando a cumprir aquele que era, à época, o grande objetivo e o ponto focal da narrativa do governo PSD-CDS - a saída limpa. O comportamento prolongou-se para lá da saída do programa, mas aí já com as eleições no horizonte.

Sabemos agora que a resolução do BES foi decidida em cima da linha de golo, meses depois de o Banco de Portugal ter feito o diagnóstico completo, dramático, à situação do banco e do Grupo Espírito Santo. Passos Coelho, ao longo desses meses, nunca ouviu do governador Carlos Costa essas preocupações? Nunca falaram do assunto? Ou, tendo falado, Passos decidiu ignorar os avisos agarrado à ideia de que o governo nada tinha que ver com os problemas do sistema financeiro e da banca privada? Sabemos como a história acabou, e não foi um final feliz, sobretudo para os contribuintes.

Perante estes factos, francamente, não espanta que o tema da estabilidade da banca nunca tenha tido honras de Conselho de Ministros, ou que a resolução do BES tenha sido decidida em Conselho de Ministros eletrónico com assinaturas de cruz, às cegas, num areal a meio de agosto.

19 DE MARÇO DE 2017
00:15
Paulo Tavares
Diário de Notícias

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum