Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Agosto 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
21 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 21 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Há duas categorias de imigrantes em Portugal?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Há duas categorias de imigrantes em Portugal?

Mensagem por Admin em Seg Mar 20, 2017 11:44 am

A recente inauguração do Study in Lisbon Lounge - um centro de acolhimento a estudantes estrangeiros com apoio da Câmara de Lisboa e atendimento dedicado do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) - foi anunciada com festa pelas autoridades. Embora louvável, a criação e a divulgação da iniciativa causa inevitavelmente uma reflexão: há duas categorias de imigrantes em Portugal?

Para os estrangeiros "comuns", que dependem de seus contratos de trabalho para a legalização no país, a situação continua se deteriorando a cada dia.

Na região de Lisboa, hoje leva-se cerca de seis meses para conseguir uma simples marcação junto ao SEF para apresentação de documentos que permitam a regularização ou a renovação do status de residência em Portugal.

Enquanto isso, mesmo pagando impostos e contribuindo para a economia portuguesa, esses milhares de pessoas - as autoridades falam em cerca de três mil, mas associações de imigrantes estimam em 30 mil - seguem com suas vidas em suspenso.

As consequências se fazem sentir diariamente.

Um parente morre no país de origem? O estrangeiro à espera de regularização não pode ir ao funeral, uma vez que corre o risco de não conseguir retornar a Portugal.

O próprio estrangeiro fica doente? O acesso à saúde, embora universal, não é comparticipado para a maioria dos imigrantes não regularizados, tornando as taxas moderadoras dos hospitais proibitivas para quem ganha o ordenado mínimo ou próximo disso.

A própria marcação no SEF, aliás, não é garantia de que o estrangeiro vá ser atendido.

Notoriamente sobrecarregados, os postos de atendimento não dão conta sequer de atender às marcações que estão na agenda do dia.

Sobram relatos - disponíveis em grupos de auxílio a imigrantes nas redes sociais e até em vídeos no YouTube - de pessoas que aguardaram durante meses por uma marcação e, próximas à data estabelecida, recebem uma ligação das autoridades informando uma remarcação para vários meses à frente.

Nem mesmo quem consegue chegar aos postos do SEF tem garantia de que vá conseguir apresentar seus documentos.

Quando o horário do expediente acaba sem que se tenha conseguido dar conta de todos os estrangeiros marcados para aquele dia, muitos deles à espera por horas nas instalações do SEF, estes são mandados para casa com novas marcações. As novas datas não raro são apenas dois ou três meses depois, aumentando o suplício de quem já aguardou por vários meses para conseguir uma marcação.

A iniciativa de auxiliar os estudantes estrangeiros é louvável, e Portugal mostra-se cada dia mais um destino de qualidade neste sentido.

Não é por acaso que milhares de estrangeiros elegeram a capital portuguesa como destino de estudo.

As universidades nacionais souberam se reinventar diante do envelhecimento da população portuguesa: criaram cursos atrativos para o mercado internacional, disponibilizaram disciplinas em inglês e até passaram a aceitar exames de outros países no processo de seleção - caso do Exame Nacional do Ensino Médio do Brasil.

Fora isso, o governo e a câmara têm conseguido promover Portugal de uma maneira eficiente, exaltando a boa qualidade de vida, o clima ameno e a segurança do país.

Com tudo isso, não faltam razões para comemorar que em 2017, pela primeira vez, Lisboa figura na lista dos 50 melhores destinos para estudantes, segundo a agência britânica Quacquarelli Symonds.

Esses estudantes certamente merecem o melhor atendimento possível.

Mas fica a dúvida de porque uns e não outros. Há para as autoridades e os órgãos oficiais duas categorias de imigrantes em Portugal: uma desejada e outra nem tanto?

As estatísticas mostram que, mais do que prejudicar a esses milhares de imigrantes, o atraso dos atendimentos traz consequências para o país, que poderia estar crescendo mais, gerando riqueza e arrecadando impostos.

O próprio presidente do Conselho Económico e Social, António Correia de Campos, afirmou diante da Assembleia da República que Portugal precisa de trabalhadores imigrantes - 900 mil deles, para um crescimento de 3% do PIB, segundo ele.

jornalista brasileira em Lisboa

20 DE MARÇO DE 2017
00:26
Giuliana Miranda
Diário de Notícias

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum