Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Agosto 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
20 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 20 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

3,9 mil milhões de razões para uma conversa de café

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

3,9 mil milhões de razões para uma conversa de café

Mensagem por Admin em Ter Mar 21, 2017 12:02 pm

Gostava de perceber o quadro mental de um primeiro-ministro que acha que a discussão de "situações em concreto" da banca dentro do governo equivale a uma "conversa de café". Falo, claro, de Pedro Passos Coelho. Na semana passada, respondendo a Assunção Cristas, Passos produziu esta pérola, no contexto de uma discussão sobre o que o seu governo fez (ou não) quanto ao BES: "O Conselho de Ministros e o governo não se substituíram aos reguladores, portanto não podem discutir situações em concreto, não fazem conversa de café. Mas isso não significa que o governo e o Conselho de Ministros não tivessem prestado uma atenção particular ao sistema financeiro."

Tradução: é normal que o governo discuta internamente o panorama geral do sistema financeiro, mas já é uma "conversa de café" discutir "situações em concreto". Isto resulta, no mínimo, de um quadro mental puramente ideológico (no caso, liberal): deixa-se o mercado funcionar livremente, colocando nas costas dos reguladores toda a responsabilidade - e dando-lhes, quando muito, as leis de que precisam.

Nada tenho contra atuações ideológicas (por oposição a atuações pragmáticas). Mas têm de ser sujeitas ao teste da realidade. No caso do sistema financeiro já sabíamos uma coisa (a partir do BPN): o colapso de um banco contém o risco potencial muito forte de atingir todos os cidadãos.

No BES, o Fundo de Resolução tomou conta do banco pondo lá 4,9 mil milhões de euros. Mil milhões foram avançados pela banca e os restantes 3,9 mil milhões emprestados pelo Estado. O Estado obteve a verba fazendo aquilo que em economês se chama "emitir dívida" (e em português "pedir dinheiro emprestado").

Assim, estes 3,9 mil milhões fazem agora parte do que o Estado tem de pagar em encargos da dívida. Quanto mais o Estado gasta em dívida, menos gasta com os cidadãos (fazendo, em suma, as mil e uma coisas que pode fazer, inclusive gastar o dinheiro mal gasto, um risco quando há dinheiro). Passos pode até dizer que um dia o Estado será ressarcido destes 3,9 mil milhões - mas até lá vão passar anos e mais anos (e, como se sabe, no longo prazo estaremos todos mortos).

Uma boa "conversa de café" sobre a "situação concreta" do BES poderia, pelo menos, ter consciencializado Passos Coelho de que este era um caso que tinha tudo para atingir os cidadãos todos. Talvez até alguém o pudesse então ter iluminado com a seguinte nota: zelar pelo interesse dos cidadãos é da competência dos governos. Aposto que isto, dito assim, não o escandalizaria.

21 DE MARÇO DE 2017
00:00
João Pedro Henriques
Diário de Notícias

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum