Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Últimos assuntos
Galeria


Junho 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
    123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930 

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
21 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 21 Visitantes :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

3,9 mil milhões de razões para uma conversa de café

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

3,9 mil milhões de razões para uma conversa de café

Mensagem por Admin em Ter Mar 21, 2017 12:02 pm

Gostava de perceber o quadro mental de um primeiro-ministro que acha que a discussão de "situações em concreto" da banca dentro do governo equivale a uma "conversa de café". Falo, claro, de Pedro Passos Coelho. Na semana passada, respondendo a Assunção Cristas, Passos produziu esta pérola, no contexto de uma discussão sobre o que o seu governo fez (ou não) quanto ao BES: "O Conselho de Ministros e o governo não se substituíram aos reguladores, portanto não podem discutir situações em concreto, não fazem conversa de café. Mas isso não significa que o governo e o Conselho de Ministros não tivessem prestado uma atenção particular ao sistema financeiro."

Tradução: é normal que o governo discuta internamente o panorama geral do sistema financeiro, mas já é uma "conversa de café" discutir "situações em concreto". Isto resulta, no mínimo, de um quadro mental puramente ideológico (no caso, liberal): deixa-se o mercado funcionar livremente, colocando nas costas dos reguladores toda a responsabilidade - e dando-lhes, quando muito, as leis de que precisam.

Nada tenho contra atuações ideológicas (por oposição a atuações pragmáticas). Mas têm de ser sujeitas ao teste da realidade. No caso do sistema financeiro já sabíamos uma coisa (a partir do BPN): o colapso de um banco contém o risco potencial muito forte de atingir todos os cidadãos.

No BES, o Fundo de Resolução tomou conta do banco pondo lá 4,9 mil milhões de euros. Mil milhões foram avançados pela banca e os restantes 3,9 mil milhões emprestados pelo Estado. O Estado obteve a verba fazendo aquilo que em economês se chama "emitir dívida" (e em português "pedir dinheiro emprestado").

Assim, estes 3,9 mil milhões fazem agora parte do que o Estado tem de pagar em encargos da dívida. Quanto mais o Estado gasta em dívida, menos gasta com os cidadãos (fazendo, em suma, as mil e uma coisas que pode fazer, inclusive gastar o dinheiro mal gasto, um risco quando há dinheiro). Passos pode até dizer que um dia o Estado será ressarcido destes 3,9 mil milhões - mas até lá vão passar anos e mais anos (e, como se sabe, no longo prazo estaremos todos mortos).

Uma boa "conversa de café" sobre a "situação concreta" do BES poderia, pelo menos, ter consciencializado Passos Coelho de que este era um caso que tinha tudo para atingir os cidadãos todos. Talvez até alguém o pudesse então ter iluminado com a seguinte nota: zelar pelo interesse dos cidadãos é da competência dos governos. Aposto que isto, dito assim, não o escandalizaria.

21 DE MARÇO DE 2017
00:00
João Pedro Henriques
Diário de Notícias

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum