Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Dezembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
17 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 17 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

"Operação Resgate"

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

"Operação Resgate"

Mensagem por Admin em Ter Mar 21, 2017 12:23 pm

Sem boa vontade da máquina fiscal, a recuperação de empresas será uma miragem

O falhanço é sempre um soco no estômago. Mas quando o falhanço é motivado pela ausência de condições de recuperação, o soco é maior e as consequências mais nefastas. Vem isto a propósito da inabilidade estrutural e cultural do país para salvar empresas em dificuldade. Até ao período da crise, uma empresa em dificuldade era uma espécie de leproso. A insolvência não era - não é - mais do que uma antecâmara da morte. E legislação, Estado e credores, juntos, coveiros que precipitavam doentes para a cova.

Esta foi uma das realidades mais desconcertantes e negativas que conheci enquanto governante, e que me empenhei por contrariar e combater através do programa REVITALIZAR e do chamado "Processo Especial de Revitalização". Nessa altura, uma estimativa gritava como uma sirene: menos de 1% das empresas em processo de insolvência se salvaram. Criou-se então, em 2012, um novo modelo voltado para favorecer a recuperação e reestruturação de empresas, numa alternativa ao corredor da morte da insolvência. Esse modelo, com várias inovações legislativas e mecanismos práticos, gerou uma cultura e frutos, que o atual Governo, e bem, não deitou fora e tenta agora aperfeiçoar no âmbito do programa "Capitalizar". Está especialmente de parabéns a estrutura de missão liderada por José António Barros.

As melhorias introduzidas são bem-vindas e confirmam os diagnósticos feitos. A figura do "mediador" de recuperação de empresas e a opção de conversão de créditos em capital sem recurso aos tribunais são dois bons exemplos. O Fisco é que parece evoluir pouco nesta reforma. Se é verdade que estão em causa os interesses públicos, é também verdade que sem uma boa vontade da máquina fiscal a recuperação de empresas será em muitos casos uma miragem. Definitivamente, a economia tem de deixar de ser um cemitério e o país um exército que maltrata os seus soldados.

Por Almeida Henriques|00:30
Presidente da Câmara Municipal de Viseu 
Correio da Manhã

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum