Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Outubro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
13 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 13 Visitantes :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

A dívida e o bom senso

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

A dívida e o bom senso

Mensagem por Admin em Qua Mar 22, 2017 11:50 am

PS e BE concordam em que não haja reestruturação unilateral da dívida pública.

O Estado português vai precisar ainda durante longos anos de pedir dinheiro emprestado. Porque tem uma dívida enorme (130% do PIB), cujos juros e amortizações terão de ser pagos. Ou seja, precisa de crédito para pagar crédito.

É uma situação incómoda? É, com certeza. Mas parece que se critica menos quem nos conduziu a tal sarilho – o governo de Sócrates – do que quem, depois, teve e tem que enfrentar este fardo.

Não pagamos – é a falsa solução de alguma extrema-esquerda. E também foi de algum PS: lembremos que Pedro Nuno Santos (hoje Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares) afirmou em Dezembro de 2011 que tínhamos na mão a “bomba atómica” – não pagar; a simples ameaça poria os banqueiros credores a tremer (muitos deles seriam, aliás, bancos sediados em Portugal e que detém dívida pública nacional).

Mas estar no poder ajuda a pôr de lado infantilidades. Como seria uma reestruturação unilateral da dívida: iríamos, depois, pedir mais dinheiro emprestado aos credores que só parcialmente pagávamos...

Fechar-nos-iam, então, a porta na cara, como fecharam durante mais de uma dúzia de anos à Argentina. E como seriam então pagos os salários da função pública e feitas outras despesas essenciais?

António Costa percebeu o problema, insistindo em que uma eventual reestruturação da dívida pública portuguesa não poderia ser unilateral e deveria estar enquadrada numa resposta europeia integrada.

Segundo o “Público”, o grupo de trabalho PS/BE sobre este tema encaminha-se para a posição de A. Costa, o que é positivo. E não afasta aquilo que desde o governo anterior tem vindo a ser feito: trocar dívida cara e a médio prazo por dívida a juros e prazos mais favoráveis.

De facto, não há nada como ser governo para ganhar realismo.

22 mar, 2017
FRANCISCO SARSFIELD CABRAL
Rádio Renascença

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum