Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Últimos assuntos
Galeria


Junho 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
    123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930 

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
12 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 12 Visitantes :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

A dívida e o bom senso

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

A dívida e o bom senso

Mensagem por Admin em Qua Mar 22, 2017 11:50 am

PS e BE concordam em que não haja reestruturação unilateral da dívida pública.

O Estado português vai precisar ainda durante longos anos de pedir dinheiro emprestado. Porque tem uma dívida enorme (130% do PIB), cujos juros e amortizações terão de ser pagos. Ou seja, precisa de crédito para pagar crédito.

É uma situação incómoda? É, com certeza. Mas parece que se critica menos quem nos conduziu a tal sarilho – o governo de Sócrates – do que quem, depois, teve e tem que enfrentar este fardo.

Não pagamos – é a falsa solução de alguma extrema-esquerda. E também foi de algum PS: lembremos que Pedro Nuno Santos (hoje Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares) afirmou em Dezembro de 2011 que tínhamos na mão a “bomba atómica” – não pagar; a simples ameaça poria os banqueiros credores a tremer (muitos deles seriam, aliás, bancos sediados em Portugal e que detém dívida pública nacional).

Mas estar no poder ajuda a pôr de lado infantilidades. Como seria uma reestruturação unilateral da dívida: iríamos, depois, pedir mais dinheiro emprestado aos credores que só parcialmente pagávamos...

Fechar-nos-iam, então, a porta na cara, como fecharam durante mais de uma dúzia de anos à Argentina. E como seriam então pagos os salários da função pública e feitas outras despesas essenciais?

António Costa percebeu o problema, insistindo em que uma eventual reestruturação da dívida pública portuguesa não poderia ser unilateral e deveria estar enquadrada numa resposta europeia integrada.

Segundo o “Público”, o grupo de trabalho PS/BE sobre este tema encaminha-se para a posição de A. Costa, o que é positivo. E não afasta aquilo que desde o governo anterior tem vindo a ser feito: trocar dívida cara e a médio prazo por dívida a juros e prazos mais favoráveis.

De facto, não há nada como ser governo para ganhar realismo.

22 mar, 2017
FRANCISCO SARSFIELD CABRAL
Rádio Renascença

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum