Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Agosto 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
19 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 19 Visitantes :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

60 anos de Europa: a obra e os erros

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

60 anos de Europa: a obra e os erros

Mensagem por Admin em Qua Mar 22, 2017 11:51 am

O mundo mudou muito desde então, e os outros têm direito a crescer e a competir com a Europa. Mas a CEE/UE também cometeu os seus erros capitais.

A Europa faz agora 60 anos. Foi a 25 de Março de 1957 que os representantes de seis países europeus – Alemanha, França, Itália, Bélgica, Países Baixos e Luxemburgo – assinaram em Roma o Tratado Constitutivo da CEE. À premissa da livre circulação de bens viria depois somar-se a livre circulação de capitais, serviços e pessoas, nos termos do Acto Único Europeu, assinado no Luxemburgo, em 1986, que abriu caminho ao Tratado pró-federalista e político de Maastricht, subscrito na Holanda, em 1992 (há 25 anos), que transformou a CEE numa União Europeia. Dos seis Estados fundadores, chegou-se a 28, com os alargamentos de 1973, 1981, 1986, 1995, 2004, 2007 e 2013.

Como já aqui tenho escrito, oscilo entre a euro confiança e o euro cepticismo. Mas não sou antieuropeísta. Para quem conhece a história do velho continente, e o veio nacionalista e bélico presente ao longo de séculos, a paz e prosperidade vividas sob a CEE/UE são a excepção e não a regra. A Jugoslávia, há vinte e poucos anos, é um lembrete recente do que costumava acontecer na Europa quando não havia união. Todavia, também não há, hoje, condições para se ser euro entusiasta. Em 1957, os subscritores da “união cada vez mais estreita entre os europeus” prometiam a “melhoria constante das condições de vida e de trabalho dos seus povos” e o “desenvolvimento harmonioso e redução das desigualdades” entre as diversas regiões.

O mundo mudou muito desde então, e os outros têm direito a crescer e a competir com a Europa. Mas a CEE/UE também cometeu os seus erros capitais. Eu aponto três.

O primeiro foi a inexistência ou a permanente hesitação em torno de uma “comunidade europeia de defesa”, que os EUA sugeriram à Europa logo nos anos 1950. É verdade que hoje já há polícias europeias, um espaço Schengen e uma tentativa de política externa a uma voz; a Europa, no entanto, é militarmente frágil, num tempo em que o chapéu-de-chuva americano pode estar a fechar-se.

O segundo foi a moeda única (que afinal não é única). A teoria estabelece que a moeda é um atributo de soberania; porém, o euro e o BCE não têm um Estado soberano atrás de si como têm o dólar e o FED nos EUA. Além disso, a moeda-cabaz juntou economias muito desiguais, sem a devida harmonização fiscal e porventura sem a devida ponderação de como se relacionar com os Estado da UE fora da Eurozona. Na parte que é culpa da Europa, a crise das dívidas soberanas é um efeito disto e uma ameaça ao anunciado “desenvolvimento harmonioso”, porque, ao contrário disso e da convergência, estabelece fronteiras Weberianas entre norte e sul, entre a “responsabilidade” e a “solidariedade”.

O terceiro erro, finalmente foi o alargamento de 2004 (e os subsequentes), lançando numa Europa ocidental (e é o “ocidente” que define historicamente a Europa), dez (e depois mais três) países do centro-Leste. Assim se passou dos 15 a 28, sem que os 15 estivessem suficientemente coesos para lidar com o influxo em massa de culturas, modelos políticos e necessidades económicas muito diferentes ou exigentes em relação ao que já havia. O chumbo franco-holandês do Tratado Constitucional Europeu, logo em 2005, foi um primeiro sinal de mal-estar comunitário. O Brexit e os múltiplos motores (económicos, sociais e culturais), e rostos (político-eleitorais) do antieuropeísmo, populista vociferante ou de simples anemia cívica, são hoje realidades e problemas visíveis. É desejável que o ano do 60.º aniversário da Europa seja o de enfrentar problemas e olhar o futuro. Se assim não acontecer, que futuro terá a Europa, para os que a querem?

22 mar, 2017
JOSÉ MIGUEL SARDICA
Rádio Renascença

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum