Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Dezembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
12 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 12 Visitantes :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Prepare-se, vai ser despedido

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Prepare-se, vai ser despedido

Mensagem por Admin em Qui Mar 23, 2017 11:37 am

Como podemos competir com algo que não tem férias, não descansa, não tem tempo reservado para a família e não recebe ordenado?

Se tem mais de dez anos de trabalho pela frente até atingir a reforma é provável que venha a ouvir estas palavras desagradáveis: “está despedido”. Mas, se não for o caso, não fique descansado, porque quase de certeza ouvirá outras, quiçá ainda mais devastadoras: “não podemos pagar a reforma que esperava”.

Num anterior artigo de opinião referi que a tecnologia é hoje a maior “ameaça” à manutenção dos postos de trabalho existentes, corresponde a 80% dos empregos perdidos nos EUA, contra apenas 20% devido ao comércio. Mas isso é apenas a ponta do iceberg.

O mundo atual atravessa um período disruptivo de enorme impacto económico e social. Para além do software, os robôs estão a substituir o trabalho humano a uma escala significativa. Só a Amazon adquiriu cerca de 45,000 robots para os seus armazéns em apenas três anos.

Já o restante setor do retalho tradicional, que em Portugal emprega cerca de 750 mil pessoas, está a definhar a olhos vistos e, nos EUA, traduz-se em várias falências e num número de encerramentos de lojas preocupante. Se no online a Amazon domina, o seu último passo é o primeiro para redesenhar a indústria tradicional, nomeadamente a sua loja Amazon Go, completamente automatizada, em que o cliente entra, coloca no cesto o que quer e sai porta fora com o custo a ser debitado automaticamente na sua conta, tudo sem interferência humana. É o sistema das caixas self-service elevado à escala global da loja e com ainda menos incómodo para o cliente.

Já se sabia que a Inteligência Artificial (IA) um dia poderia atingir o mesmo nível que a dos humanos. Ray Kurzweil, diretor de engenharia da Google e um dos mais respeitados cientistas na área da IA, com um registo de acerto de 86% nas suas previsões desde 1990, afirmou que daqui a apenas 12 anos, a I.A atingirá o mesmo nível que a humana, que em 2030 teremos o nosso cérebro (neocórtex) ligado à cloud, e que daqui a 30 anos ocorrerá uma “singularidade” – a inteligência ao dispor de cada humano será 1 bilião de vezes superior à atual, devido à interligação máquina-humano.

Por que motivo a questão da IA é importante? Porque esta nova revolução tecnológica não será como as anteriores, e a razão é muito simples. O trabalho humano reside em três pontos: físico, intelectual e emocional. E se a revolução industrial eliminou grande parte da necessidade humana no trabalho físico, a disrupção que vivemos hoje irá reduzir drasticamente a necessidade humana no trabalho intelectual, ao mesmo tempo que elimina o restante trabalho físico desempenhado atualmente por pessoas. Isto porque deixarão de existir robôs ”burros”. Todos terão capacidade de auto-aprendizagem e/ou serão supervisionados por um computador que a tenha.

Restará parte da componente emocional do trabalho e alguma da intelectual, mas isso no cenário laboral de hoje é uma gota no oceano e poderá ter os dias contados. Afinal, o que são as emoções senão algo produzido pela nossa inteligência? Algo que poderá ser aprendido pela própria IA, uma vez que “viva” as nossas experiências quando em contacto direto com o nosso cérebro?

Portanto, a tendência é para que, de uma forma agressiva, os postos de trabalho de hoje desapareçam, sendo que os do futuro não terão necessidade obrigatória de intervenção humana, colocando em cheque a sustentabilidade, já hoje inexistente, da Segurança Social, especialmente em Portugal, onde a idade média é de 44 anos e o índice de fertilidade é de apenas 1.28. Como é que os (poucos) jovens do futuro irão suportar o esquema de pirâmide da Segurança Social?

Para responder a este dilema há quem fale, como Bill Gates, em taxar os robôs e outros em rendimento mínimo garantido. Ora, taxar robôs seria tão inteligente como taxar o software com que Gates fez fortuna. Afinal ambos fazem o mesmo, eliminam postos de trabalho. Mas mesmo que tal seja possível e que um rendimento mínimo seja sustentável, na prática irá provocar ainda mais desigualdade entre os ricos e os pobres, pois ao generalizar um valor para todos, estaríamos a nivelar a maioria dos cidadãos por baixo e sem capacidade de progressão.

Não querendo ser alarmista, pretendo que o leitor pare para pensar num futuro não ficcional, mas já hoje parcialmente real e sobre o qual os principais “pensadores” estão de acordo quanto à sua inevitabilidade, divergindo apenas no espaço temporal em que tal ocorrerá. Imagine um robô com a sua capacidade intelectual e mobilidade física. Como competir com algo que não tem férias, não descansa, não tem tempo reservado para a família e não recebe ordenado? E mesmo que não acredite que tal seja possível, está disposto a apostar o seu futuro bem-estar e sobrevivência nessa incredibilidade, sem sequer o debater?

Marco Silva, Financeiro
 00:06
Jornal Económico

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum