Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Dezembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
17 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 17 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Dar vida ao património

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Dar vida ao património

Mensagem por Admin em Sex Mar 24, 2017 11:27 am

Li, e vi na Internet, no site do Turismo de Portugal, uma notícia sobre um programa de reabilitação de imóveis antigos que me despertou a curiosidade, pelo seu mérito social e cultural, designado por «Revive», onde figuram 30 edifícios, históricos na sua maioria, seleccionados para integrar o referido programa.

A primeira constatação a fazer, é a de que nenhum deles se localiza na Madeira, nem mesmo o castelo conhecido por «Pico Radio», será porque a preocupação de regionalizá-lo era tanta que não chegou a dar tempo para saber, para que fim se destinava e se havia financiamento para tal?

A segunda constatação, é a de que este tipo de iniciativa do Estado não é inédita, se recordarmos o que passou com a Pousada do Castelo, em Óbidos, que foi a primeira «Pousada Histórica», a abrir em 1951, no quadro do desenvolvimento do Plano da Rede de Pousadas Nacional, criadas em 1942, por António Ferro?

Aliás, começa aqui uma história de sucesso, que é a do Estado recuperar edifícios históricos públicos, em ruinas ou abandonados, dando-lhes uma função útil, mas sustentável, que chegou até aos nossos dias.

Mas será que com este programa voltamos ao tempo, antes da criação da Enatur, em 1976, em que o Estado chamava a si o investimento «chave na mão» (através da sua inscrição no OGE), e entregava-o a um privado que nem sempre se responsabilizava pela sua manutenção, mas apenas pela exploração do edifício/hotel?

Não, não nos parece ser assim. Neste programa, há uma diferença significativa no modelo, a saber, uma espécie de PPP, em que o Estado cede o uso do imóvel a recuperar, a expensas do promotor interessado, em troca de tempo para ele reaver o dinheiro que terá investido. É, também, uma forma de tornar o esforço financeiro da reabilitação do património nacional, mais abrangente e mais célere. Uma vantagem evidente quando os recursos públicos são escassos!

Estamos, assim, perante dois modelos à procura do mesmo: a recuperação de imóveis públicos, sem uso ou abandonados, com a possibilidade de adaptação hoteleira e que, até hoje, só poderiam estar integrados e geridos pela empresa pública, ENATUR, desde a sua criação, mas agora, constituída como uma sociedade mista, com 51% do Estado e 49% privada, por troca de 100% da exploração das Pousadas, no caso, ao Grupo Pestana, por sinal um grupo hoteleiro madeirense.

De assinalar aqui, o caso do Hotel do Bussaco que escapou a esta lógica, e não integrou a rede de Pousadas, porque já existia, antes da criação das mesmas, em 1942, tendo beneficiado de renovações sucessivas do contrato, pelo menos ate hoje, mas a necessidade de investimento na sua remodelação, e a caducidade do contrato, podem justificar a abertura de um novo concurso (?), até porque há vários interessados com vontade e meios para investir, e porque não, o próprio Grupo Pestana, concessionário das Pousadas?

Aqui, o que é importante saber, é se este programa terá o mesmo sucesso que tiveram as Pousadas.

Penso que dependerá da justeza dos incentivos previstos para o programa, uma vez que todos sabemos que o principal factor de sucesso de uma unidade hoteleira é a sua localização e estes imóveis, estão onde estão, e não podem ser transladados pelo promotor, para uma localização mais favorável à procura que, neste caso, deve ser relativamente alta e com um preço médio superior à média nacional. Porquê?

Porque a rentabilidade é mais difícil de atingir quando o investimento supera os valores médios da actividade, dado que o custo de construção é normalmente mais elevado numa reabilitação desta natureza (30% a 50% mais) do que numa construção de raiz, visto que as soluções arquitectónicas são mais complexas, os materiais mais caros (a notar que normalmente são equiparáveis a um Hotel de 4/5 estrelas) e por vezes, surgem imprevistos que obrigam a suspender a obra para mandar para análise eventuais «achados arqueológicos» que resultam das próprias escavações necessárias ao desenrolar da obra, e o promotor a pagar.

Outra questão pertinente, é saber quem «desempata» os diferendos que sempre sucedem entre o promotor da obra e a autoridade responsável pelo património histórico-cultural que, nesta matéria, costuma aproveitar a oportunidade para fazer aprovar o seu projecto, que entende ser mais de acordo com a «verdade histórica» do imóvel, normalmente em dissonância com a funcionalidade hoteleira, pretendida pelo promotor, e este mais uma vez, a pagar.

Dito isto, a ideia não é má, se funcionar, isto é, se atrair investidores que sejam capazes de ultrapassar as dificuldades que mencionei atrás, mas certamente acreditando no produto em questão.

Será que com esta atitude vai-se entrar numa nova fase de resolução do problema imenso de dar vida ao património nacional devoluto? A ver vamos.

NUNO JARDIM FERNANDES / 24 MAR 2017 / 02:00 H.
Diário de Notícias da Madeira

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum