Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Outubro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
13 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 13 Visitantes :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

A crise da social-democracia

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

A crise da social-democracia

Mensagem por Admin em Sab Mar 25, 2017 11:45 am


O socialismo democrático, que parecia ir afirmar-se após o colapso do comunismo, está hoje em dificuldade.

Quando se deu o colapso do comunismo soviético, há quase trinta anos, parecia ter-se aberto uma grande oportunidade para o socialismo democrático. A partir de então, este já não seria prejudicado, por tabela, pela falta de direitos civis, políticos e humanos na terra do “socialismo real”.

E, de facto, se quanto à União Soviética e satélites ainda foi possível manter ilusões durante décadas, nem os mais ingénuos marxistas vêem, hoje, exemplos a seguir na China, na Coreia do Norte ou nos países da América Latina que adoptam o chamado “socialismo bolivariano”.

Aquelas ilusões não eram apenas políticas: boa parte do prestígio de que, após a descolonização, a URSS gozava em novos países africanos tinha sobretudo a ver com a ideia de que o regime soviético era uma via para um rápido crescimento económico a partir do subdesenvolvimento. Mas a URSS acabou em boa parte por causa da sua incapacidade para acompanhar a prosperidade económica ocidental (e japonesa). Quanto ao “socialismo bolivariano” basta lembrar que a Venezuela tem as maiores reservas petrolíferas mundiais e está na miséria; falta até o combustível.

Contaminação liberal

Mas, voltando ao socialismo democrático, porque saíram furadas as suas expectativas após a queda do comunismo? Uma parte da esquerda culpa a aproximação de social-democratas ao chamado neoliberalismo. Este entusiasmou-se com a derrota do comunismo e entrou numa euforia que pôs de lado princípios éticos básicos, na ânsia de ganhar muito dinheiro e depressa. Euforia que terminou com a grande recessão causada, a partir de 2007, pela crise do “subprime” a partir dos Estados Unidos.

Essa contaminação levou, por exemplo, Bill Clinton (aliás um bom presidente) a revogar a lei de Roosevelt que obrigava a uma separação rigorosa entre a banca comercial e a banca de investimento. A partir daí, a mentalidade de risco própria dos bancos de investimento contagiou todo o sector bancário. Outro caso foi o de Tony Blair, cujo desprestígio, hoje, tem sobretudo a ver com o apoio que deu a George W. Bush e à lamentável invasão do Iraque. E há, ainda, o falhanço eleitoral de vários partidos socialistas europeus: o PSOE em Espanha, o Pasok na Grécia, o PS francês, etc.

Outros casos poderiam ser referidos, como o do socialista Hollande, presidente de França, que acabou por seguir uma política contrária à que defendera na sua campanha eleitoral há cinco anos. Hollande teve os mais baixos níveis de aprovação de qualquer presidente da França da V República, por isso não se recandidatou. O PS francês está tão dividido que nenhum dos seus candidatos deverá passar à segunda volta das eleições presidenciais.

Por seu turno, os socialistas de esquerda, anticapitalistas, não têm muito para festejar. Veja-se o líder trabalhista J. Corbyn, no Reino Unido, cujo esquerdismo algo antiquado afasta o seu partido do poder. Ou, em Espanha, o mais agressivo esquerdismo do Podemos, partido que teve um início de vida espectacular, mas parece ter atingido um tecto eleitoral e estar minado por conflitos internos. Ou, ainda, as cambalhotas do Syriza na Grécia, onde perdeu muita popularidade.

Envelhecimento demográfico

A verdade é que a social-democracia teve e tem que enfrentar uma situação adversa. O Estado social, que cresceu na Europa depois da II Guerra Mundial, contou com trinta e tal anos de notável crescimento económico. Mas esse crescimento acabou e não se sabe se um dia virá a ser retomado. Ao mesmo tempo, a população europeia envelheceu, por causa da baixa na natalidade (Portugal é dos países que mais envelhecem). Ora estes dois factores colocam crescentes limitações ao financiamento dos apoios sociais.

Daí que os eleitores se afastem de uma social-democracia cada vez menos generosa e sejam atraídos pelos discursos populistas de direita e de esquerda. Mais tarde ou mais cedo descobrirão que a demagogia dos populistas não leva a uma maior prosperidade; e ainda menos promove a solidariedade. A começar pela recusa de acolher imigrantes, que o envelhecimento populacional torna necessários para o equilíbrio financeiro da segurança social dos países de acolhimento. Entretanto, crescem os regimes políticos autoritários e pouco democráticos – até no interior da União Europeia.

A situação é, então, desesperada? Talvez não. Lembremos que nos anos 30 do séc. XX a democracia liberal era por muitos considerada como um regime ultrapassado, próprio do séc. XIX. Modernos, então, pareciam ser os totalitarismos comunistas e nazi-fascistas. No entanto, a democracia liberal regressou em força na segunda metade do século passado. Agora, a social-democracia precisa de inventar um novo futuro.

A solução encontrada por António Costa – a “geringonça” – tem despertado interesse no estrangeiro. Mas enfrenta um problema: são de fundo as divergências entre o PS e os partidos da esquerda radical, PCP e BE, que apoiam o governo socialista. Por muito que todos falem em “esquerda”, são contrárias as posições do PS, de um lado, e do PCP e BE, do outro, sobre a integração europeia, as liberdades da democracia liberal, a colectivização económica, o papel da iniciativa privada, etc. O que trava reformas significativas e não garante estabilidade no longo prazo. A “geringonça” não é uma alternativa sólida.

25 mar, 2017
FRANCISCO SARSFIELD CABRAL
Rádio Renascença

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum