Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Outubro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
14 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 14 Visitantes :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Futuro angustiante

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Futuro angustiante

Mensagem por Admin em Dom Mar 26, 2017 11:16 am

E vão oito anos consecutivos com saldo natural negativo. Esta é a Madeira sem verniz e floreados, com indicadores demográficos assustadores e sem multiplicação capaz de gerar sustentabilidade a vários níveis. Uma realidade agravada em 2016 com a diminuição dos nascimentos na ordem dos 5%.

Uma sociedade que facilmente se distrai com palpites e apenas se junta por instantes para dizer mal de quem se mexe ou reagir à opinião livre parece viver a leste deste drama. É o que denota quando lava as mãos sempre que confrontada com necessidade de pensar nas medidas urgentes e nos apoios reais capazes de contribuir para o aumento da natalidade, a fixação de pessoas nas zonas rurais, o combate à desertificação ou o rejuvenescimento populacional garantido por imigrantes.

Esta gente confia levianamente no Estado, pessoa de bem mas que manifesta alergia ao povo. É ingrato. Despreza. Abusa. Dá abonos com uma mão e tira-os com a outra, taxando sem escrúpulos rendimentos, consumo e diversão. Diz-se amigo das famílias mas emprega-nos até a velhice, não nos dando sossego nos últimos dias, nem conforto a quem herda os gestos de amor à pátria.

Mais do que criar incentivos à natalidade, urge implementar medidas concretas, sustentáveis e credíveis, transversais ao modelo social vigente e coerentes com as políticas decretadas pela partidocracia que se reveza no poder. Ninguém procriará sabendo que a fome espreita e que a precariedade laboral se senta à mesa, se o desemprego não baixar, se os preços dos infantários configurarem assalto, se os livros ridicularizarem a história, se tudo for negócio mesmo que não reste ninguém para fazer contas.

Nesta ilha em que há mais mortes do que nascimentos, logo, mais dor do que alegria, mais fatalidade do que esperança e mais discurso do que intervenção, os alertas são diários, mas de efeito reduzido. Por muito alta que seja a esperança de vida, quem é que daqui a dias vai zelar pelo produto, por manter vivo o que é endógeno, honrar tradições e partilhar rumos?

De pouco nos serve ter aldeias a disputar as ‘7 maravilhas’, centenas de maiores de 18 anos metidos à força nas listas autárquicas e medidas circunstanciais de apoio à natalidade, se nos tiram qualidade de vida sempre que nos distraímos, se quem manda não cumpre com a continuidade territorial, se faltam vacinas e medicamentos nos centros de saúde e no hospital, se nos enganam com promessas, se nos regulamentam a criatividade, se nos tomam por tolos e se nos matam aspirações.

RICARDO MIGUEL OLIVEIRA , DIRECTOR  / 26 MAR 2017 / 02:00 H.
Diário de Notícias da Madeira

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum