Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Setembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
9 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 9 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Esquerda neoliberal

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Esquerda neoliberal

Mensagem por Admin em Seg Mar 27, 2017 11:23 am

Não fora o maná do turismo e estaríamos talvez no meio de outra recessão.

O Governo decidiu fazer uma grande festa a propósito do ‘menor défice da democracia’ (com direito a outdoors e tudo). Mas o que nos tinha prometido, vai para a eternidade de seis ou sete meses, era que estaríamos agora a celebrar ‘o maior crescimento económico desde o conde D. Henrique’ ou ‘a menor austeridade desde el-rei D. Duarte’. A esquerda andou anos a acusar de ‘neoliberal’ ou ‘austeritário’ (praticamente um fascista, portanto) quem se preocupava com o défice. Agora, anda aí numa orgia de celebração ‘neofascista’ (pelo menos pelos seus critérios).

Quando subiu ao poder, prometeu um ‘tempo novo’ cheio de prosperidades. Chegados ao fim do primeiro Orçamento, verificamos que, para alcançar o ‘menor défice da democracia’, o Governo se socorreu de velhas manhas ‘neoliberais’: substituiu os impostos austeritários diretos pelos impostos austeritários indiretos, pôs em causa o funcionamento de serviços públicos cativando despesas, cortou à bruta no investimento público. O ministro das Finanças vangloria-se imenso pela sua capacidade para ‘executar o Orçamento’. Mas, precisamente, ‘o menor défice da democracia’ só foi alcançado porque o Orçamento não foi executado: os impostos renderam muito menos do que o previsto (porque o crescimento económico foi muito menor), logo foi preciso cortar à grande na despesa. Noutros tempos, uma coisa destas já tinha dado direito a um rol de manifestações da CGTP, do PCP e do BE contra ‘o fim das conquistas de Abril’.

Com um ano e meio de esquerda no poder, o crescimento económico é menor do que no ano final de Passos Coelho, o investimento cresce menos, as exportações também, assim como o consumo – esse xangrilá da esquerda de outrora. Não fora o maná do turismo, aliás responsável por uma nova bolha imobiliária, e estaríamos talvez no meio de outra recessão. Como é belo o ‘tempo novo’.

Por Luciano Amaral|00:30
Correio da Manhã

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum