Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Setembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
12 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 12 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

A Democracia Digital

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

A Democracia Digital

Mensagem por Admin em Seg Mar 27, 2017 11:30 am

Deveremos caminhar para um sistema onde seja escutada de forma cada vez mais directa a voz de grupos de interesse.Caberá depois ao poder politico fazer a triagem dos contributos e tomar uma opção.

O debate sobre a democracia representativa, sobre o défice de participação dos cidadãos e o seu alheamento do debate político deve cada vez mais integrar a dimensão digital.

Significa isto que a democracia deve ser comandada através de votações por smartphones e de likes em redes sociais?

Julgo que não.

É, sim, fundamental ter em conta na concepção e implementação das políticas públicas a voz dos cidadãos, não apenas nos ciclos eleitorais, a cada quatro anos, mas de forma constante, ainda que sem pôr em causa o mandato eleitoral de governos nacionais e locais e a sua legitimidade para executar um programa politico sufragado nas urnas.

Deveremos, assim, caminhar para um sistema onde seja escutada de forma cada vez mais directa a voz de grupos de interesse, patrões, sindicatos, consumidores, associações sectoriais, empresas e grupos profissionais, as universidades e sobretudo os cidadãos anónimos. Caberá depois ao poder político fazer a síntese e triagem de entre os contributos recebidos e sobre eles tomar uma opção politica.

Veja-se o exemplo de Axelle Lemaire, a anterior Secretária de Estado francesa do Digital e Empreendedorismo. Deixa como legado a aprovação da Lei Para Uma República Digital. A modernidade desta lei vem das matérias que ousou legislar, desde o regime da morte digital, que permite aos cidadãos decidir o que sucede aos seus dados uma vez que não se encontrem entre os vivos, à imposição de uma cultura de “open data” na administração pública e nas universidades, à sujeição de organismos públicos e privados a novas obrigações em matéria de acessibilidade visual e auditiva, a um especial direito à portabilidade dos dados dos cidadãos, às garantias de uma maior lealdade e transparência dos serviços digitais na relação com os consumidores, ao reforço do sigilo da correspondência eletrónica e à penalização do ciberbuling.

Verdadeiramente original é o facto de esta lei ter sido sujeita, ainda sob a forma de projecto, a uma muito participada consulta pública online, com mais de 20.000 contributos dos cidadãos. Originou um enorme debate público que alastrou das redes sociais aos media e jornais tradicionais, antes mesmo de iniciar o seu processo de aprovação no parlamento francês.

Significa isto que foram os internautas e não os representantes dos cidadãos a votar a lei ou a decidir as matérias e soluções que dela deveriam constar?

Nada disso.

O projecto seguiu os seus tramites e a lei acabaria por ser aprovada por unanimidade, na Câmara dos Deputados e no Senado. Mas a avaliação das múltiplas respostas à consulta originou um enorme debate de ideias, aperfeiçoou o projeto com a experiência de governados e permitiu mesmo, por sugestão de um internauta, o reconhecimento do –e-Desporto e a adopção do estatuto do jogador de jogos vídeo, segundo passatempo dos franceses a seguir à leitura.

Também a Lei da Economia Digital do Reino Unido, ainda em processo de adopção, foi sujeita a consulta pública e a um debate participado. Em Espanha, o Governo lançou recentemente uma consulta pública sobre o diploma de adaptação da lei espanhola de Proteção de Dados Pessoais ao novo Regulamento Europeu sobre a matéria. Por sua vez, em França, a CNIL, congénere da nossa Comissão Nacional de Proteção de Dados, está a lançar sucessivas consultas sobre temas concretos relativos à aplicação daquele Regulamento.

E em Portugal, por exemplo, o SIMPLEX + está em consulta pública e é saudável ver esporadicamente um projeto de diploma ser sujeito à auscultação do mercado (por lei, certos reguladores são obrigados a fazê-lo).

Porém, ainda que mais trabalhoso, não deveria este chamamento à participação dos cidadãos ser a normalidade no processo legislativo? Voltando a Axelle Lemaire e à sua pequena revolução no reforço da cidadania digital, cabe então perguntar se, em vez de exceções, estas consultas não deveriam passar a ser a regra na atuação dos governos?

Luís Neto Galvão
7:29
ECO - Economia Online

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum