Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Dezembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
17 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 17 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Copos e mulheres no pelotão da frente

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Copos e mulheres no pelotão da frente

Mensagem por Admin em Seg Mar 27, 2017 11:34 am

No essencial, as reformas necessárias deixaram de se fazer desde 1992. A retribuição logo chegou (portanto, muito antes da chegada do euro) sob a forma de paralisia no processo de convergência.

O "Livro branco sobre o futuro da Europa: reflexões e cenários para a UE27 em 2025"  e o pronunciamento de vários líderes das maiores economias da Europa em favor da ideia das várias velocidades não suscitou entre nós o início de um processo de reflexão - a que o documento bem  apela - mas, antes, provocou reacções pavlovianas à  simples hipótese de sermos excluídos do "pelotão da frente". Para uns, é evidente que devemos procurar, a todo o custo, continuar no "pelotão da frente" da UE e do euro. Para outros, é uma oportunidade de ouro para vincar os aspectos mais negativos da nossa integração nas comunidades europeias.
 
Integrar o pelotão da frente, só por si, não valerá grande coisa se essa pertença não for acompanhada por reformas profundas no mercado do trabalho e dos produtos e nas instituições que regulam a actividade económica. Portugal continua a ser o país da UE e da OCDE com menor flexibilidade no mercado do trabalho e com rigidez muito elevada no mercado dos produtos e nas instituições regulatórias.
 
No essencial, as reformas necessárias deixaram de se fazer desde 1992. A retribuição logo chegou (portanto, muito antes da chegada do euro) sob a forma de paralisia no processo de convergência.
 
Os decisores públicos e o essencial das elites continuam, irresponsavelmente, a atribuir os nossos problemas a factores externos ao país, à crise internacional, à "falta de solidariedade" da Europa, ao euro. Depois, fingem de falsas virgens ofendidas quando alguns líderes europeus, menos polidos e mais boçais, sublinham, com frases pouco escolhidas, a situação dramática em que o país, voluntariamente, se colocou. 
 
Entre 1992 e 2016, durante 24 anos, a convergência evoluiu 6 pontos percentuais, de 62% para 68%. As previsões da OCDE, efectuadas em 2014 - na hipótese de que continuamos com a mesma política económica - significam que, em 2060, teremos um PIB per capita que será 71% do da Europa mais desenvolvida. Isto é, uma evolução de 3 pontos percentuais em 45 anos. Em 2060 teremos necessitado de 62 anos para evoluir 8 pontos percentuais, bastante menos do que os 11 pontos que progredimos em apenas sete anos (1986-1992) com o choque estrutural que, em boa hora, nos impuseram aquando da adesão à CEE.
 
Não havendo motivos para duvidar das contas da OCDE, na verdade, se não mudarmos de vida, vamos ter pela frente muitos anos bem preenchidos de episódios tipo "copos e mulheres".
 
Economista e professor no ISEG


Avelino de Jesus
26 de março de 2017 às 18:45
Negócios 

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum