Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Dezembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
17 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 17 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Quem diz que Dijsselbloem é um radical não percebeu a crise do euro

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Quem diz que Dijsselbloem é um radical não percebeu a crise do euro

Mensagem por Admin em Seg Mar 27, 2017 11:35 am

Este bate-boca entre um político do Norte e políticos do Sul lembra-nos que o fosso político, cultural e social entre Norte e Sul continua aberto - e que, num contexto crescente de populismos nacionalistas, é uma das principais ameaças que pairam sobre a moeda única.
32     3 Guardar Imprimir
Em Abril de 2011, na véspera do resgate a Portugal, Dominique Strauss-Kahn ensaiou uma ameaça à Comissão Europeia: o FMI não estava disponível para participar no programa português se não houvesse também condições impostas à própria política económica da Zona Euro. O alemão Wolfgang Schäuble pensou que Strauss-Kahn estava a fazer "bluff" - e estava. O FMI acabou por entrar na troika e emprestar a sua experiência e 26 mil milhões de euros a Portugal. O episódio, contado em "Laid Low", livro sobre os bastidores do FMI durante a crise do euro, é uma de muitas passagens em que se percebe a resistência da política europeia em propiciar um "ajustamento" menos duro aos países mais frágeis. A resistência explica-se com muitos factores - um deles é a visão moralista do "Norte" da Europa sobre o "Sul".
 
Esta visão no "Norte", parte preconceito, parte realidade, não é exclusiva dos políticos, muito menos dos da extrema-direita: é uma visão que, no caso do euro, dura desde os primórdios da sua construção e é partilhada pela sociedade e respectivas elites. Numa comparação simplista, é o mesmo tipo de percepção que leva os portugueses no continente a criticarem o resgate à Madeira, que identificam com o jardinismo despesista. 
 
Seja na Alemanha, seja na Holanda - progressista como os nórdicos nas políticas sociais e germânica nas finanças públicas - este moralismo era um risco para os políticos que acelerassem uma abordagem global à crise em vez de uma acção punitiva caso a caso. Por isso, os socialistas alemães do SPD, mesmo enquanto pediam mais estímulos económicos no pico da crise do euro, nunca desafiaram a política de Merkel. E também por isso os socialistas holandeses, já cientes da ameaça populista à direita, foram sempre dos mais ortodoxos na crise: porque acreditam nessa ortodoxia e porque são eleitos por pessoas que acreditam.
 
Eis-nos, então, na presença do socialista Jeroen Dijsselbloem e da tirada sobre "aguardente e mulheres". O estilo é sem dúvida inaceitável e merecedor de repúdio. E a narrativa do "Norte solidário" com o "Sul gastador" é muito incompleta: uma crise de dívida envolve sempre responsabilidade dos credores e na crise do euro há culpa suficiente para distribuir por todos. Mas a narrativa não equivale a "tiques de um novo racismo" (Carlos César), nem Dijsselbloem é um "pseudo-socialista" (Sérgio Sousa Pinto), um "lobo do populismo perigoso com pele de cordeiro" (António Costa) que "ainda não percebeu o que foi a crise do euro" (Augusto Santos Silva) - o holandês é um socialista que conhece bem o custo político daquilo que foi e é preciso fazer pelo euro. E, mesmo enquanto reprovamos o estilo, é difícil contestar a mensagem de fundo: a "solidariedade" responde-se com responsabilidade.
 
Se quisermos ser optimistas podemos furar a retórica Norte/Sul e ver como, na realidade, a política vai trabalhando para a estabilidade da Zona Euro: Dijsselbloem fala para os anseios dos eleitorados do Norte, mas a Comissão vai relaxando com países como Portugal e o BCE oferece um estímulo sem precedentes; António Costa fala contra o austeritário moralista do Norte, mas vai "além de Bruxelas" e bate uma meta de défice. Para já, isto vai chegando. Mas, se quisermos ser realistas, este bate-boca entre um político do Norte e políticos do Sul lembra-nos que o fosso político, cultural e social entre Norte e Sul continua aberto - e que, num contexto crescente de populismos nacionalistas, é uma das principais ameaças que pairam sobre a moeda única.
 
Jornalista da revista SÁBADO

Bruno Faria Lopes
26 de março de 2017 às 19:05
Negócios

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum