Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Últimos assuntos
Galeria


Maio 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031   

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
9 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 9 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

O abandono de Lisboa

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

O abandono de Lisboa

Mensagem por Admin em Ter Mar 28, 2017 10:45 am

O atual primeiro-ministro, que devia ser hoje o seu presidente da câmara, abandonou a cidade à sua sorte, deixando lá um substituto que só tem feito obras de fachada para turista ver, mas que tornam a vida infernal aos lisboetas

Lisboa tem neste momento uma triste sorte que é a de ter sido abandonada por todos, não havendo ninguém que procure defender os interesses da cidade. O atual primeiro-ministro, que devia ser hoje o seu presidente da câmara, abandonou a cidade à sua sorte, deixando lá um substituto que só tem feito obras de fachada para turista ver, mas que tornam a vida infernal aos lisboetas. É assim que Lisboa vê desaparecerem os seus eixos de circulação rodoviária, assim como o estacionamento, o que impossibilita a população idosa de se deslocar, já que a cidade ficou reservada a ciclistas e corredores. Ao mesmo tempo, os transportes públicos deixaram de funcionar adequadamente, já se tornando habitual para os lisboetas ouvirem dizer que existem “problemas na circulação” logo que atravessam as cancelas do metro.

Ao mesmo tempo, a câmara lança sucessivas e cada vez mais abusivas taxas sobre os cidadãos relativamente a serviços que não presta. É assim que lançou uma taxa de proteção civil, que mais nenhum concelho da área metropolitana cobra, quando a proteção civil dos lisboetas anda pelas ruas da amargura. Na verdade, os cidadãos quase que viram o viaduto de Alcântara desabar sobre as suas cabeças, uma infraestrutura cuja fiscalização é da responsabilidade da câmara municipal. E há tempos, na Graça, um condomínio licenciado pela câmara viu um muro ruir, levando à afetação de nada menos do que quatro prédios. Enquanto se fazem e desfazem inúmeras obras de fachada, a câmara não trata do que deveria tratar, mas não se coíbe de cobrar taxas por serviços que não presta.

A Câmara de Lisboa encara assim os seus munícipes como meros servos da gleba, a quem se cobram taxas, mas com cujas dificuldades não está minimamente preocupada.

Perante este quadro negro, os lisboetas só podem lamentar terem sido também abandonados pelo centro-direita, que optou por desvalorizar as autárquicas, em lugar de arranjar uma alternativa consistente para Lisboa. É assim que, parafraseando Camões, Lisboa parece estar destinada a mais quatro anos metida no gosto da cobiça e na rudeza de uma austera, apagada e vil tristeza.

28/03/2017
Luís Menezes Leitão
opiniao@newsplex.pt
Jornal i

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum