Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

cmtv  tvi24  cais  

Últimos assuntos
Galeria


Fevereiro 2018
DomSegTerQuaQuiSexSab
    123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728   

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
12 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 12 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

À custa de quê?

Ir em baixo

À custa de quê?

Mensagem por Admin em Ter Mar 28, 2017 11:07 am

A austeridade pode ser um travesti, mas continua a ser austeridade. Há um musculado aperto.

Ufano e prazenteiro, o Governo apressou-se estes dias a desfraldar bandeiras e lançar confetes para celebrar o "défice mais baixo da democracia". O anúncio (não isento de polémica) estampou-se contra o muro da realidade, que devolveu outro recorde histórico: um corte de 29 por cento no investimento público que representa agora 1,6 por cento do PIB. Em 2015, era de 2,3 por cento.

A ‘narrativa’ cor de rosa e delico-doce do défice é a história de um gato escondido com rabo de fora. Felizmente, ainda há quem não desista de fazer as contas. Foi o caso do ‘Negócios’, que bem notou que o investimento do Estado (coisa diferente da despesa) tem hoje o valor mais baixo da democracia. Não tardaram as desculpas de mau pagador do Terreiro do Paço. A culpa foi dos ‘fundos comunitários’, que chegaram em fatias mais magras… 

Ora, não é afinal, o Governo o responsável pela gestão (devidamente centralizada) desses mesmos fundos? Um destes dias ouviremos falar dos riscos de incumprimento de metas de investimento, mas o mais grave é que esse dinheiro, negociado em condições muito difíceis, é um combustível que faz falta ao motor da economia.
A austeridade pode ser um travesti, mas continua a ser austeridade. Há hoje um musculado aperto sobre o investimento e a despesa pública. Somaram-se novos impostos eufemisticamente classificados de ‘indiretos’, embora no pacote esteja a fiscalidade sobre os combustíveis. Em serviços essenciais - como a Proteção Civil prestada por bombeiros voluntários - o Estado tarda em honrar compromissos.

Até em matéria de ‘medidas extraordinárias’ para arrecadar receita, convém lembrar encaixes que não voltam, como os 500 milhões do ‘PERES’, os 100 milhões da venda de F-16 à Roménia ou os 260 milhões de juros recebidos a mais de um empréstimo europeu.

Depois de tudo visto, talvez haja poucos motivos para celebrar e mais para questionar...

Por Almeida Henriques|00:30
Presidente da Câmara Municipal de Viseu 
Correio da Manhã

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16761
Pontos : 49160
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 31
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum