Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Dezembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
17 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 17 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

A geração perdida

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

A geração perdida

Mensagem por Admin em Ter Mar 28, 2017 11:27 am

Quando aquele eurodeputado polaco disse que as mulheres recebem menos porque são mais fracas e menos inteligentes, a condenação pública foi quase unânime. Mas ele disse, de forma abertamente machista, aquilo que muitos pensam em privado. E em poucas áreas isso é tão gritante como nas tecnologias de informação. Em todas as conferências a que vou há um suspiro de preocupação com a escassez de profissionais qualificados. "Skills gap", dizem eles, mostrando linhas desencontradas em slides projetados na parede do auditório. Depois, olha-se para os relatórios de diversidade de grandes empresas de Silicon Valley e as estatísticas são dececionantes: 70% dos cargos ocupados por homens, mais ainda nas posições de maior poder. Em Portugal é pior: um estudo recente da Hays mostra que 87% do trabalho qualificado em tecnologias de informação é ocupado por homens.

Se atirarem estas estatísticas para a mesa num jantar regado a sangria, hão de sair respostas honestas - a maioria acha que as mulheres não se interessam tanto por computadores, que tentar aumentar a sua participação no mercado é frescura da terceira onda do feminismo e que algumas profissões simplesmente são mais apropriadas a um género. Nem pensem em levantar a questão da desigualdade salarial - os homens "têm mais experiência" deve ser um argumento que vem em pacotes de açúcar, tal é a frequência com que é repetido.

O que ninguém lhes disse, porque pouca gente se lembra, é que muitos dos primeiros programadores, os pioneiros, eram mulheres. O número de mulheres que estudavam ciências da computação cresceu mais rapidamente do que o número de homens durante décadas. A área era nova e diversa, com uma participação fenomenal - 37% dos estudantes de licenciaturas em computação eram mulheres. Hoje, essa percentagem é inferior a 18%. O que é que aconteceu?

A queda abrupta ocorreu nos anos oitenta e pode ser rastreada quase até à data específica: 1984. Foi o ano de lançamento do Macintosh e o início da massificação do computador pessoal. Havia o Commodore 64. A Radio Shack tinha o TRS-80. Não se fazia muito com eles, pelo que os génios do marketing promoveram-nos como brinquedos glorificados para rapazes, em que dava para jogar videojogos. Em pouco tempo, criou-se a cultura do cromo e a ideia de que computadores era coisa de rapazes.

"Em 2010, candidatei-me a um lugar no Congresso e como parte dessa experiência visitei muitas escolas. Entrava nas aulas de ciências da computação e de robótica e via centenas de rapazes a quererem ser o próximo Steve Jobs; pensava, "onde estão as raparigas"?" Reshma Saujani, que perdeu aquelas eleições, não conseguiu deixar de pensar no problema. Em 2012, fundou a Girls who Code, uma organização cujo propósito era cativar as raparigas para a programação desde cedo. Saujani esteve no IBM InterConnect na semana passada, em Las Vegas, para contar a sua história a uma audiência de milhares de homens.

Começou com programas de verão em parceria com empresas de tecnologia para ensinar as miúdas e ela própria aprendeu a programar. Cinco anos depois, já passaram pelo programa 40 mil raparigas de todos os estados. "Isto é um problema que podemos resolver", declarou. As três jovens que a acompanharam ao palco, Karen Supandi, Michelle Liang e Madison Gong, estiveram a trabalhar em programas com base nas capacidades cognitivas do supercomputador Watson, a grande aposta da IBM na era da inteligência artificial. Os resultados foram de tal forma excecionais - um dos projetos ajuda pessoas com autismo a comunicar com os amigos - que a CEO Ginni Rometty lhes ofereceu um estágio (pago) na IBM.

"Durante demasiado tempo não contámos com as raparigas, pensávamos que elas não estavam interessadas", disse Saujani. A mensagem mereceu uma ovação de pé. Talvez esta seja a geração que recupera a paixão por computadores e programação que as mulheres tinham nos anos sessenta e setenta. "O que aprendemos é que é possível convertê-las. Elas pensavam que computadores eram coisas de rapazes. Temos de fazer um trabalho melhor a ensinar as nossas raparigas sobre falhanço, coragem e persistência."

A lavagem cerebral foi tão eficaz que o impacto feminino nos primórdios da computação ficou enterrado nas areias movediças da cultura pop da altura. Está na hora de o recuperar.

28 DE MARÇO DE 2017
00:02
Ana Rita Guerra
Diário de Notícias

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum