Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Tópicos similares
    Conectar-se

    Esqueci minha senha

    Palavras chave

    tvi24  

    Últimos assuntos
    Galeria


    Dezembro 2017
    DomSegTerQuaQuiSexSab
         12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31      

    Calendário Calendário

    Flux RSS


    Yahoo! 
    MSN 
    AOL 
    Netvibes 
    Bloglines 


    Quem está conectado
    12 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 12 Visitantes :: 1 Motor de busca

    Nenhum

    O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

    Arrábida e Sado

    Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

    Arrábida e Sado

    Mensagem por Admin em Qua Mar 29, 2017 10:43 am

    Para não variar o turismo continua na ordem do dia. Recentemente  decorreu a Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL), o grande certame do setor em Portugal, e foi a oportunidade de sabermos mais sucessos desta galinha dos ovos de ouro.

    Claramente não embarco nesta euforia. Bem vistas as coisas, esta indústria de cada vez mais gente ir para mais longe, mais rapidamente e por menos, é um produto do nosso tempo com uma fatura de valor incalculável, inevitavelmente, a cobrar um dia, como sempre. Entretanto, andamos distraídos e contentes, encantados com as hordas de turistas na Torre de Belém que em 15 minutos despacham a coisa, na melhor das hipóteses chupando um Olá. Tudo o que estamos a vender como produto turístico todos os outros têm, muitas vezes melhor. Em oposição o património natural que devemos viver e vender é único e de grande valor. Lamentavelmente em Portugal não há turismo de natureza, o turismo onde a comunidade local é o principal protagonista e que cria riqueza muito para além de fazer camas e aparar relva em hotéis de cinco estrelas. Não existe o produto “turismo de natureza” em Portugal. Pior, em Portugal na generalidade a natureza proíbe-se no literal sentido da expressão. Quando assim é, como pode haver turismo de natureza? Há, isso sim, iniciativas avulsas e pontuais que nada têm a ver com produto estruturado. Obviamente, como tudo em Portugal, salvo honrosas exceções. A natureza só faz sentido se for “exaustivamente” viva e vivida, mas em Portugal é problemático ter uma casa num parque natural e não se pode acampar na margem de um rio. Há em Portugal um capital natural fabuloso e um mercado brutal à porta ávido do que só nós temos (o mercado da Europa rica sem biodiversidade, igrejas e castelos todos têm e não é fator diferenciador). A Arrábida e o Sado têm um valor incalculável. Confesso, convictamente, que foi uma sorte a Arrábida não ser classificada património da UNESCO, já não há paciência para tanto “património UNESCO”. A mais valia é a marca Arrábida, “não património da UNESCO”, os patrimónios da Arrábida vão muito para além. Os autarcas locais apenas têm que cumprir o seu dever: exigir do Ministério do Ambiente a total gestão do território e a partir daí estruturar a marca Arrábida Natural. Olhe-se aqui para o lado, Espanha, onde tudo é diferente para muito melhor com o exemplo, persistente de décadas, das Astúrias à cabeça. Por cá, há mais de dez anos,  a Naturtejo, mostra como se faz.

    Portugal igual a si próprio, pobre e contente.

    Carlos Cupeto
    Universidade de Évora
    28/03/2017
    Diário da Região

    _________________
    Cláudio Carneiro


    Facebook
    avatar
    Admin
    Admin

    Mensagens : 16760
    Pontos : 49157
    Reputação : 0
    Data de inscrição : 07/12/2013
    Idade : 30
    Localização : Sines

    Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

    Voltar ao Topo Ir em baixo

    Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

    - Tópicos similares

     
    Permissão deste fórum:
    Você não pode responder aos tópicos neste fórum