Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Dezembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
17 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 17 Visitantes :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

A integração europeia em causa

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

A integração europeia em causa

Mensagem por Admin em Qua Mar 29, 2017 10:47 am

O colapso da UE não é uma fatalidade, se os políticos europeus ouvirem os cidadãos.

Os 60 anos da assinatura do Tratado de Roma deram ensejo, em Portugal, a violentas críticas à UE e ao euro por parte do PCP e do BE, partidos que apoiam um governo socialista pró-europeu.

E, em França, Marine Le Pen anunciou a “morte da UE”, se for eleita presidente, porque "as pessoas já não a querem".

De facto, nas últimas duas décadas, o projecto europeu perdeu apoio das pessoas. Mas o “brexit”, conjugado com a hostilidade de Trump à UE e com a agressividade de Putin (que ajuda os eurocépticos) parece ter sido um choque para muitos europeus, confrontados com a possibilidade de a Europa comunitária se desfazer. E terão percebido quanto iriam perder com isso.

Em parte, como reflexo desse choque, no domingo passado Angela Merkel obteve uma inesperada vitória nas eleições no pequeno estado alemão do Sarre. E na Bulgária as eleições legislativas foram ganhas pelo partido pró-europeu de centro-direita, contra o partido socialista, pró-Putin.

Em 22 deste mês, o partido europeísta venceu claramente, na Holanda, o partido anti-UE. Nas últimas semanas várias sondagens revelaram, noutros Estados membros, uma certa inversão na tendência eurocéptica.

Como é óbvio, nada de importante vai mudar na UE antes das eleições em França e na Alemanha. Por isso não vale a pena estar, agora, a propor modificações ao Tratado da UE, como, por exemplo, a desejável criação de um Senado com uma representação igual de deputados eleitos em cada país membro.

Mas importa que, desde já, os líderes europeus falem para os cidadãos e sobretudo ouçam as suas preocupações. É a única maneira de derrotar de vez o populismo eurocéptico. O colapso da UE não é uma fatalidade.

FRANCISCO SARSFIELD CABRAL
29 mar, 2017
Rádio Renascença

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum