Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Outubro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
17 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 17 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Previsão (as Margens de rio do Tejo em a zona de 0,09% do território nacional é a Lisboa)

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Previsão (as Margens de rio do Tejo em a zona de 0,09% do território nacional é a Lisboa)

Mensagem por Admin em Qua Mar 29, 2017 10:55 am


O que espanta é o tempo que se levou a perceber que desembarcar a quilómetros do centro da cidade não era uma boa opção, e que havia espaço disponível para remediar isso. E lá se foi fazendo, pelo método da “sopa de pedra”, o novo cais de atracação de grandes cruzeiros, e obras envolventes.

Quem por estes dias passar pela Lisboa ribeirinha, entre o Terreiro do Paço e Santa Apolónia, fica surpreendido com o volume de obras que ali decorrem. Já estamos habituados (os da minha idade) ao fazer e desfazer da Praça do Comércio e do Campo das Cebolas; já sofreram mais intervenções do que qualquer outra zona da cidade. Julgo que, neste concurso, perdem apenas para o Aeroporto de Lisboa, hoje chamado Humberto Delgado, que nunca vi sem estar em obras – isto desde a década de sessenta do século passado. E eu passo por lá várias vezes ao ano.
Não tendo havido bombardeamento ou terramoto, qual será a razão de tal afã? Tudo se faz e refaz, e, da velha configuração da borda de água, resta apenas a Doca da Marinha.

Bem, tudo parece relacionado com a nova função daquela até agora desprezada área portuária. Com a novidade da atracação dos navios de cruzeiro naquela área, houve que requalificar toda a frente ribeirinha, primeiro para permitir a manobra dos grandes (enormes!) cruzeiros, depois para facilitar o acesso dos turistas ao centro da cidade.

E a Baixa de Lisboa tem tomado um ar cada vez mais cosmopolita, com milhares de ociosos descobrindo as maravilhas da nossa velhinha e sempre moderna capital.

Porquê esta tardia descoberta? Aparentemente, aquela zona portuária estava vazia de ocupação e deserta de movimento. Que me lembre, a última atividade significativa ali levada a cabo foi a atracagem de alguns navios destinados a aumentar a capacidade hoteleira durante a EXPO 98, com o resultado de terem ficados os ditos navios cheios de ar atmosférico; ocupantes, quase nenhuns.

No entanto, aquela zona foi sempre a principal porta de entrada em Lisboa, desde o tempo dos fenícios. Apenas a construção das docas do Conde de Óbidos e de Alcântara fez desviar os passageiros da entrada direta no coração da cidade, perdendo-se o efeito tantas vezes descrito por ilustres forasteiros, o da descoberta da cidade através do desembarque no Terreiro do Paço.

E a primeira imagem é a que fica; bem o compreenderam os portuenses, ao edificar um terminal de cruzeiros no Porto de Leixões que é uma joia arquitetónica, ponto de passagem obrigatório, mesmo para quem chegue à capital do Norte por outros meios. Ou os micaelenses, que construíram um terminal de cruzeiros em que os turistas desembarcam diretamente na marginal de Ponta Delgada.

O que espanta é o tempo que se levou a perceber que desembarcar a quilómetros do centro da cidade não era uma boa opção, e que havia espaço disponível para remediar isso. E lá se foi fazendo, pelo método da “sopa de pedra”, o novo cais de atracação de grandes cruzeiros, e obras envolventes.

Cabia agora requalificar toda a zona urbana ribeirinha, com entusiasmo e com grandes transtornos para quem ali passa – inclusive para os turistas. É que, aparentemente, ninguém se tinha lembrado que a primeira imagem do viajante desembarcado em Lisboa passava a ser a os prédios degradados (exceto a Casa dos Bicos) que foram construídos, ao longo dos tempos, sobre a cerca moura.

Decerto a cidade aparecerá de cara lavada; a zona baixa de Alfama ressurgirá das cinzas da crise; as obras, feitas de jato, resolverão o problema de uma penada; mas não deixa de ser mais uma amostra da nossa incapacidade de previsão, e de realização das infraestruturas antes de agudização dos problemas.

No fundo, algo semelhante ao século decorrido entre a construção de uma via férrea dupla de cintura da cidade (depois eletrificada), e o seu aproveitamento para comboios de passageiros, em sistema pendular; ou os sucessivos protelamentos da construção de um novo aeroporto, até se cair numa solução provisória (o que é dizer tudo).

Falando dessa solução provisória, o que se perfila no horizonte é a sua concretização, sem que sejam referidas ações complementares na área das acessibilidades.

Se o aeroporto, de que até o nome é tema de polémica, se destina a voos low cost, isso significa passageiros de fracos recursos, que se submetem a viajar como sacos de batatas, e com as mesmos direitos das batatas, como se viu na sequência dos voos cancelados de e para a Madeira. 

Ou seja, há que precaver desde já os transportes de massa para aqueles passageiros, e para o pessoal que ali irá trabalhar, e que se contará por milhares.

Será que é desta que se termina o Metro Sul do Tejo, com ligação até ao aeroporto do Montijo? E se reabilita a linha férrea Montijo – Pinhal Novo? E se cria um transporte económico entre o Montijo e Lisboa? E uma ligação fiável entre os dois aeroportos?

É que, tomando como medida o tempo que levou o Metropolitano de Lisboa a chegar ao Aeroporto, temos para duas gerações…

Nuno Santa Clara
Barreiro
29.03.2017 - 00:08
Rostos

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum