Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Dezembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
17 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 17 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

O país do faz de conta

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

O país do faz de conta

Mensagem por Admin em Qui Mar 30, 2017 10:34 am

Exercita-se um país de faz de conta, em que mudando os protagonistas ou as suas posições, as matrizes mantêm-se. Não há incompatibilidades entre a política e os negócios, não há pudor, não há vergonha e faz-se muito de conta

Andamos nisto, entre discussões sobre quem baixou mais o défice, por décimas, ou sobre o crescimento económico, por centésimas, acima ou abaixo de uma qualquer versão das previsões. Exercita-se um país de faz de conta, em que mudando os protagonistas ou as suas posições, as matrizes mantêm-se. Não há incompatibilidades entre a política e os negócios, não há pudor, não há vergonha e faz-se muito de conta.

O primeiro-ministro, António Costa, subscreveu em nome de Portugal e dos portugueses, PCP e BE incluídos, a Declaração de Roma por ocasião dos sessenta anos do Tratado de Roma, fundador da Europa que temos.

A declaração, subscrita em nosso nome, defende “uma Europa segura, onde todos os cidadãos se sintam seguros e possam mover-se livremente, com fronteiras externas bem guardadas”.

Proclama a construção de “uma Europa próspera e sustentável, que crie crescimento e emprego», com um mercado único forte e interligado e «uma moeda única estável e fortalecida», sendo necessário completar a União Económica e Monetária (UEM) e trabalhar com vista à convergência económica – prioridades sempre afirmadas pelo governo português”.

Defende “Uma União que, ‘baseada no crescimento sustentável, promova o progresso económico e social, bem como a coesão e a convergência’, tendo em conta ‘a diversidade dos sistemas nacionais’, e que promova a igualdade de género, combata o desemprego, a discriminação, a exclusão social e a pobreza, e invista na educação dos jovens”.

Sustenta “uma União mais forte na cena global, aprofundando as parcerias já existentes e construindo novas, com a assunção de mais responsabilidades e reforço da segurança e defesa comuns”.

Proclamações ou não de circunstância, a verdade é que PCP e Bloco bem podem exorcizar o apoio ao governo com radicalismos em relação à desvinculação do projeto europeu, que o representante máximo da solução governativa que apoiam, com esse mandato, subscreveu entendimento contrário, em nome de Portugal. E bem! O resto são tretas para consumo interno, quiçá eleitoral. Se tudo não fosse de faz de conta, ou eram coerentes com o apoio ao governo ou consequentes com a divergência. E, no entanto, PCP e BE gritam a duas vozes à desgarrada que é preciso preparar a saída do Euro, sem mencionar as consequências para a vida concreta das pessoas e do país.

Faz de conta, quando têm uma posição em Lisboa, de apoio ao governo e outra diferente de contestação um pouco por todo o país. Votaram um Orçamento de Estado, mas não incluíram as reivindicações locais de agora e fazem de conta. Suportam um governo que na Europa defende o contrário e fazem de conta que divergem.

Este pachorrento faz de conta contagia também a oposição, que alterna a desorientação depressiva sobre os últimos quatro anos da sua governação, com uma inacreditável negação em relação ao que fizeram. Suspenderam, cortaram, fundiram e extinguiram, mas agora exigem tudo, como se tal, como à esquerda, tivessem sido bafejados com infinita convicção que o dinheiro cai do céu. É vê-los a votar ao lado da esquerda em resoluções a exigir que se faça agora o que negaram em quatro anos, a exigir respostas com celeridade aos passivos acumulados e a outras malfeitorias expostas ou colocadas debaixo do tapete.

Só pode ser faz de conta, quando o Dr. Paulo Portas “soundbita” que Obama deportou muitos mexicanos e Trump também o pode fazer, como se os governos PSD/CDS em que participou não tivessem sido responsáveis por uma gigantesca onda de partida de portugueses para o exterior, deportados pela falta de oportunidades.

No país do faz de conta, para o poder tudo está bem, para a oposição tudo está mal, como se a vida e as sociedades complexas como o são, fossem palco de simplórios maniqueísmos. No país do faz de conta, precisamos de filtros que permitam aceder à verdade, vislumbrar a propaganda, à transparência das decisões e à sintonia com o mundo real, em que muitos dos protagonistas políticos de hoje não vivem. Nem sobrevivem.

Depois de quatro anos, com resultados faz de conta, já não há tolerância para a política do não é bem assim e, muito menos, para sucessivos sobressaltos do sistema bancário que exaurem a nossa atenção e os recursos públicos. Neste contexto, a possibilidade de débito direito no pagamento de impostos é um delicioso simplex da realidade dos últimos anos, como se o Estado e a Administração Fiscal tivessem como padrão o respeito pelos cidadãos e um comportamento como pessoa de bem.

Uma vez mais, o faz de conta.

NOTAS FINAIS

FAZ DE CONTA. Se os partidos políticos se comportam em temas relevantes para o país e para os cidadãos entre a birra, o populismo e o umbigo como é possível que essas atitudes não sirvam de exemplo inspirador para a sociedade?

ILUSÃO. Portugal foi o país da União Europeia que registou um maior recuo no número de mortos em acidentes rodoviários entre 2010 e 2016. É pura ilusão julgar que a razão principal não foi a falta de dinheiro para combustível e o consequente menor número de veículos em circulação. Não houve nem prevenção nem fiscalização estruturadas.

CONTAS CERTAS. Nos últimos anos, a dívida pública aumentou, mas os municípios conseguiram reduzi-la. Seria uma pena que as opções tocadas a eleições autárquicas provocassem um retrocesso, com impacto no défice, que permitisse aos de sempre arremessar contra o Poder Local Democrático.

30/03/2017
António Galamba 
opiniao@newsplex.pt 
Jornal i

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum