Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Agosto 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
19 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 19 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Juros descem e invertem tendência de subida

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Juros descem e invertem tendência de subida

Mensagem por Admin em Sex Mar 31, 2017 10:20 am


Os mercados financeiros nacionais gostaram dos números do défice orçamental de 2016 (2,1%, mas que segundo afirma hoje Mário Centeno, seria de 1,9%, se se calculasse da mesma forma que se calculou o de 2015), e de o Banco de Portugal, que tem o melhor modelo da economia portuguesa, sendo por isso as suas previsões seguidas com muita atenção, subido as suas projeções. 

O Banco de Portugal prevê agora que a economia nacional cresça 1,8% este ano, 1,7% em 2018 e 1,6% em 2019. Além disso, o investimento crescerá robustamente, o equilíbrio externo da economia manter-se-á (não nos endividaremos mais, como um todo, para fazer face a despesas correntes), e o desemprego continuará a descer, com a criação líquida de postos de trabalho.

Os mercados atravessam um bom momento: a bolsa subiu para os máximos dos últimos dez meses, e as taxas de juro da dívida a dez anos continuam a descer. Estas últimas subiram artificialmente devido ao que se chama de “acidente técnico”: o título que antes servia de referência para calcular as taxas a dez anos foi substituído por outro que, por se estender mais no tempo, tem os juros mais elevados. Foi devido a este acidente técnico que as taxas a dez anos subiram, para quem as segue na Bloomberg, de 3,99% a 15 de março, para 4,30% a 16.

De facto, não subiram, foi apenas o título de referência que foi alterado. Mas, segundo a Bloomberg, esta subida está lá. Por isso, é “oficial”. E, de qualquer forma, o título de referência teria de ser substituído: é que, à medida que vamos avançando no tempo e a sua maturidade (o reembolso do capital emprestado) se aproxima, o seu prazo desce de dez para nove anos, e descerá depois para oito, e assim sucessivamente.

Os juros a dez anos têm vindo a descer desde esse máximo de 4,30% a 16 de março. E, graças às boas notícias, intensificaram a descida desde o início desta semana. Fecharam hoje a 3,95%, depois de terem cotado a 3,92%.

E porque é que os números de hoje, 30 de março, são importantes? Porque, conforme me explicou um leitor atento, numa tendência de subida um título vai fazendo máximos e mínimos sucessivamente mais elevados, E o fecho de hoje, a 3,95%, quebra essa tendência para os juros a dez anos da dívida portuguesa. O valor de fecho é inferior ao anterior mínimo de 3,97% atingido a 14 de março.

Os juros portugueses têm espaço para continuarem a descer. E, de qualquer forma, o Estado não pode só financiar-se com obrigações (títulos de dívida) a dez anos, porque o juro pedido pelos investidores é superior ao custo médio da dívida portuguesa, que salvo erro é de 3,4%. Mas os juros atuais a dez anos fazem, por exemplo, que compense pedir dinheiro emprestado no mercado para liquidar antecipadamente os empréstimos contraídos junto de um dos parceiros da troika: o FMI.

Eduardo Ferreira
opiniao@newsplex.pt
30 de março 2017
SOL

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum