Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Últimos assuntos
Galeria


Junho 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
    123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930 

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
22 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 22 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Juros descem e invertem tendência de subida

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Juros descem e invertem tendência de subida

Mensagem por Admin em Sex Mar 31, 2017 10:20 am


Os mercados financeiros nacionais gostaram dos números do défice orçamental de 2016 (2,1%, mas que segundo afirma hoje Mário Centeno, seria de 1,9%, se se calculasse da mesma forma que se calculou o de 2015), e de o Banco de Portugal, que tem o melhor modelo da economia portuguesa, sendo por isso as suas previsões seguidas com muita atenção, subido as suas projeções. 

O Banco de Portugal prevê agora que a economia nacional cresça 1,8% este ano, 1,7% em 2018 e 1,6% em 2019. Além disso, o investimento crescerá robustamente, o equilíbrio externo da economia manter-se-á (não nos endividaremos mais, como um todo, para fazer face a despesas correntes), e o desemprego continuará a descer, com a criação líquida de postos de trabalho.

Os mercados atravessam um bom momento: a bolsa subiu para os máximos dos últimos dez meses, e as taxas de juro da dívida a dez anos continuam a descer. Estas últimas subiram artificialmente devido ao que se chama de “acidente técnico”: o título que antes servia de referência para calcular as taxas a dez anos foi substituído por outro que, por se estender mais no tempo, tem os juros mais elevados. Foi devido a este acidente técnico que as taxas a dez anos subiram, para quem as segue na Bloomberg, de 3,99% a 15 de março, para 4,30% a 16.

De facto, não subiram, foi apenas o título de referência que foi alterado. Mas, segundo a Bloomberg, esta subida está lá. Por isso, é “oficial”. E, de qualquer forma, o título de referência teria de ser substituído: é que, à medida que vamos avançando no tempo e a sua maturidade (o reembolso do capital emprestado) se aproxima, o seu prazo desce de dez para nove anos, e descerá depois para oito, e assim sucessivamente.

Os juros a dez anos têm vindo a descer desde esse máximo de 4,30% a 16 de março. E, graças às boas notícias, intensificaram a descida desde o início desta semana. Fecharam hoje a 3,95%, depois de terem cotado a 3,92%.

E porque é que os números de hoje, 30 de março, são importantes? Porque, conforme me explicou um leitor atento, numa tendência de subida um título vai fazendo máximos e mínimos sucessivamente mais elevados, E o fecho de hoje, a 3,95%, quebra essa tendência para os juros a dez anos da dívida portuguesa. O valor de fecho é inferior ao anterior mínimo de 3,97% atingido a 14 de março.

Os juros portugueses têm espaço para continuarem a descer. E, de qualquer forma, o Estado não pode só financiar-se com obrigações (títulos de dívida) a dez anos, porque o juro pedido pelos investidores é superior ao custo médio da dívida portuguesa, que salvo erro é de 3,4%. Mas os juros atuais a dez anos fazem, por exemplo, que compense pedir dinheiro emprestado no mercado para liquidar antecipadamente os empréstimos contraídos junto de um dos parceiros da troika: o FMI.

Eduardo Ferreira
opiniao@newsplex.pt
30 de março 2017
SOL

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum