Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Últimos assuntos
Galeria


Abril 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
      1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30      

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
18 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 18 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Um país em risco de sumir

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Um país em risco de sumir

Mensagem por Admin em Sex Mar 31, 2017 10:31 am

Em 2080, soubemos esta semana, o país deverá ver reduzida a sua população para 7,5 milhões de habitantes. O Norte, onde residiam, em 2015, 3,603 milhões de pessoas deverá perder 1,526 milhões, uma redução de 42%, quase metade da sua população.

Estes números, traçados pelo Instituto Nacional de Estatística, deveriam deixar-nos alarmados. Bem sei que a esmagadora maioria de nós já cá não estará para viver num país ainda mais desertificado em largas faixas do território e onde será cada vez mais complicado ter um modelo sustentável de Segurança Social, que permita apoiar uma população cada vez mais envelhecida - em 2018, serão 317 idosos para cada 100 jovens. Mas, tal como os gráficos que o representam, este é um caminho descendente, numa curva onde acabaremos por inevitavelmente ser todos apanhados a caminho de um país inviável.

Por isso, mais do que o alarme que deveriam suscitar, estes números deveriam ser um apelo à ação, que tarda, para a qual não parece haver nem visão, nem coragem. Sim, não é fácil defender o prolongamento da vida ativa para quem teve no horizonte o descanso da reforma aos 65 anos. Sim, é muito complicado defender uma política ativa de captação de novos residentes, quando por todo o Mundo se erguem políticas agressivas contra emigração. E será sempre muito difícil tentar novas políticas de engenharia social, como cortar no número de horas de trabalho, flexibilizar a idade da reforma ou permitir às pessoas suspenderem as suas carreiras para cuidar dos filhos, de forma a termos incentivos à natalidade mais impositivos.

Mas não fazer nada disto, mantendo conceitos que vêm de um mundo que já não existe, é um bilhete de ida rumo a uma suave, mas dramática, decadência. É nestes momentos que esses seres com quem mantemos uma constante relação de amor-ódio, os políticos, deveriam ser determinantes. Cabe-lhes a eles ouvir, refletir, esboçar propostas que nos convençam de um horizonte mais amplo e nos deem a coragem de ter ambição como país.

Eu percebo que a derradeira vez em que nos falaram de um futuro que não estava balizado pelo limite anual do défice, durante o primeiro Governo de José Sócrates, tem hoje péssima imprensa. Mas o impulso, mesmo que por escassez de recursos devesse ser ponderado e calendarizado de outra forma, era positivo. Problemas como o dos recursos energéticos, das alterações climatéricas, das ligações às redes europeias de transportes ou da demografia precisam de quem tenha a coragem de ver longe.

David Pontes*
Hoje às 00:04
Jornal de Notícias

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum