Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Setembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
14 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 14 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Um país em risco de sumir

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Um país em risco de sumir

Mensagem por Admin em Sex Mar 31, 2017 10:31 am

Em 2080, soubemos esta semana, o país deverá ver reduzida a sua população para 7,5 milhões de habitantes. O Norte, onde residiam, em 2015, 3,603 milhões de pessoas deverá perder 1,526 milhões, uma redução de 42%, quase metade da sua população.

Estes números, traçados pelo Instituto Nacional de Estatística, deveriam deixar-nos alarmados. Bem sei que a esmagadora maioria de nós já cá não estará para viver num país ainda mais desertificado em largas faixas do território e onde será cada vez mais complicado ter um modelo sustentável de Segurança Social, que permita apoiar uma população cada vez mais envelhecida - em 2018, serão 317 idosos para cada 100 jovens. Mas, tal como os gráficos que o representam, este é um caminho descendente, numa curva onde acabaremos por inevitavelmente ser todos apanhados a caminho de um país inviável.

Por isso, mais do que o alarme que deveriam suscitar, estes números deveriam ser um apelo à ação, que tarda, para a qual não parece haver nem visão, nem coragem. Sim, não é fácil defender o prolongamento da vida ativa para quem teve no horizonte o descanso da reforma aos 65 anos. Sim, é muito complicado defender uma política ativa de captação de novos residentes, quando por todo o Mundo se erguem políticas agressivas contra emigração. E será sempre muito difícil tentar novas políticas de engenharia social, como cortar no número de horas de trabalho, flexibilizar a idade da reforma ou permitir às pessoas suspenderem as suas carreiras para cuidar dos filhos, de forma a termos incentivos à natalidade mais impositivos.

Mas não fazer nada disto, mantendo conceitos que vêm de um mundo que já não existe, é um bilhete de ida rumo a uma suave, mas dramática, decadência. É nestes momentos que esses seres com quem mantemos uma constante relação de amor-ódio, os políticos, deveriam ser determinantes. Cabe-lhes a eles ouvir, refletir, esboçar propostas que nos convençam de um horizonte mais amplo e nos deem a coragem de ter ambição como país.

Eu percebo que a derradeira vez em que nos falaram de um futuro que não estava balizado pelo limite anual do défice, durante o primeiro Governo de José Sócrates, tem hoje péssima imprensa. Mas o impulso, mesmo que por escassez de recursos devesse ser ponderado e calendarizado de outra forma, era positivo. Problemas como o dos recursos energéticos, das alterações climatéricas, das ligações às redes europeias de transportes ou da demografia precisam de quem tenha a coragem de ver longe.

David Pontes*
Hoje às 00:04
Jornal de Notícias

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum