Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Últimos assuntos
Galeria


Abril 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
      1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30      

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
19 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 19 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Serviços: debater os grandes desafios estratégicos

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Serviços: debater os grandes desafios estratégicos

Mensagem por Admin em Sex Mar 31, 2017 10:44 am

A aposta na qualificação do capital humano nacional é fundamental para reduzir o atual desfasamento entre a oferta e a procura de trabalho.

A I Convenção Nacional dos Serviços, organizada pela CCP e pelo Fórum dos Serviços, debateu durante dois dias o papel dos serviços no futuro da economia portuguesa. Dos diversos painéis e debates surgiram grandes desafios enunciados como estratégicos e que consideramos deveriam orientar a política económica do país, nomeadamente tendo consagração no Programa Nacional de Reformas.

Destacamos seis grandes prioridades: a aposta na qualificação do capital humano, o investimento nos ecossistemas territoriais, a valorização do posicionamento geoeconómico do país, uma estrutura produtiva orientada pela diversidade, uma verdadeira reforma do Estado e uma contínua aposta no diálogo social e no papel da concertação, pensados como instâncias centrais para uma gestão mais tranquila da mudança, mediante um verdadeiro Pacto Social para a década.

Vou deter-me nos quatro primeiros desafios. A aposta na qualificação do capital humano nacional – investindo na elevação do nível do nosso sistema de ensino e formação, ajustando os perfis dos nossos recursos humanos às novas necessidades da economia – é fundamental para reduzir o atual desfasamento entre a oferta e a procura de trabalho.

O investimento nos ecossistemas territoriais, mediante políticas integradas orientadas para o reforço da sua atratividade, deve ser encarado na perspetiva da captação de investimento vindo do exterior, mas também de pessoas (não apenas turistas mas potenciais futuros residentes) com o efeito associado de entrada de rendimentos.

A valorização do posicionamento geoeconómico do país significa fazer de Portugal um lugar central na ligação da Europa a outros continentes, o que requer um investimento sustentado em infraestruturas logísticas e de transporte orientadas para o tráfego intercontinental e por uma ligação mas eficiente e com valor acrescentado nacional à restante Europa.

Finalmente, foi consensual a visão de uma estrutura produtiva nacional orientada por dois grandes vetores: a diversidade (de atividades e de formatos) e a novidade (novas atividades e novas oportunidades). Esta visão implica políticas públicas de apoio ao empreendedorismo, à experimentação e à concepção de novos projetos com ligação aos “setores do futuro”, de uma cooperação reforçada entre o mundo empresarial e as instituições de ensino, de investigação e de produção de conhecimento, seja em domínio de maior incorporação de tecnologia, seja em atividades inovadoras, baseadas em novos conceitos, novos produtos ou novos canais comunicacionais e de acesso aos utilizadores/consumidores.

João Vieira Lopes, Presidente da Confederação do Comércio e Serviços
 00:07
Jornal Económico

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum