Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Outubro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
14 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 14 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Serviços: debater os grandes desafios estratégicos

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Serviços: debater os grandes desafios estratégicos

Mensagem por Admin em Sex Mar 31, 2017 10:44 am

A aposta na qualificação do capital humano nacional é fundamental para reduzir o atual desfasamento entre a oferta e a procura de trabalho.

A I Convenção Nacional dos Serviços, organizada pela CCP e pelo Fórum dos Serviços, debateu durante dois dias o papel dos serviços no futuro da economia portuguesa. Dos diversos painéis e debates surgiram grandes desafios enunciados como estratégicos e que consideramos deveriam orientar a política económica do país, nomeadamente tendo consagração no Programa Nacional de Reformas.

Destacamos seis grandes prioridades: a aposta na qualificação do capital humano, o investimento nos ecossistemas territoriais, a valorização do posicionamento geoeconómico do país, uma estrutura produtiva orientada pela diversidade, uma verdadeira reforma do Estado e uma contínua aposta no diálogo social e no papel da concertação, pensados como instâncias centrais para uma gestão mais tranquila da mudança, mediante um verdadeiro Pacto Social para a década.

Vou deter-me nos quatro primeiros desafios. A aposta na qualificação do capital humano nacional – investindo na elevação do nível do nosso sistema de ensino e formação, ajustando os perfis dos nossos recursos humanos às novas necessidades da economia – é fundamental para reduzir o atual desfasamento entre a oferta e a procura de trabalho.

O investimento nos ecossistemas territoriais, mediante políticas integradas orientadas para o reforço da sua atratividade, deve ser encarado na perspetiva da captação de investimento vindo do exterior, mas também de pessoas (não apenas turistas mas potenciais futuros residentes) com o efeito associado de entrada de rendimentos.

A valorização do posicionamento geoeconómico do país significa fazer de Portugal um lugar central na ligação da Europa a outros continentes, o que requer um investimento sustentado em infraestruturas logísticas e de transporte orientadas para o tráfego intercontinental e por uma ligação mas eficiente e com valor acrescentado nacional à restante Europa.

Finalmente, foi consensual a visão de uma estrutura produtiva nacional orientada por dois grandes vetores: a diversidade (de atividades e de formatos) e a novidade (novas atividades e novas oportunidades). Esta visão implica políticas públicas de apoio ao empreendedorismo, à experimentação e à concepção de novos projetos com ligação aos “setores do futuro”, de uma cooperação reforçada entre o mundo empresarial e as instituições de ensino, de investigação e de produção de conhecimento, seja em domínio de maior incorporação de tecnologia, seja em atividades inovadoras, baseadas em novos conceitos, novos produtos ou novos canais comunicacionais e de acesso aos utilizadores/consumidores.

João Vieira Lopes, Presidente da Confederação do Comércio e Serviços
 00:07
Jornal Económico

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum