Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Dezembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
17 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 17 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

O inferno demográfico

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

O inferno demográfico

Mensagem por Admin em Sex Mar 31, 2017 11:06 am

A maior ameaça à economia portuguesa é mesmo a demográfica. O país está a envelhecer e a encolher. Em 2031 já seremos menos de 10 milhões a residir neste território, o que significa que já haverá dezenas de cidades no mundo com população e PIB superiores ao de Portugal.
 
Mas as estimativas divulgadas esta semana pelo INE são ainda mais aterradoras: em 2080 só haverá 7,5 milhões de portugueses.

Se a economia é em certo sentido um termómetro da demografia, as previsões são de profundo arrefecimento. Dos 6,7 milhões de pessoas que constituem hoje a população activa do país (15 aos 64 anos) passaremos a 3,8 milhões em 2080. Obviamente que a curva da evolução de um dos países do mundo com a menor taxa de natalidade provocará sérios constrangimentos económicos e sociais. Ainda por cima com tanta pobreza e com tão baixa poupança, com a esmagadora maioria da população a depender dos apoios sociais e das reformas para as quais descontaram, haverá uma pressão gigantesca sobre a Segurança Social.

Há apenas duas maneiras de mitigar este impacto negativo: através do incentivo à natalidade e da integração de imigrantes.

Mas para a imigração ser um activo importante é fundamental que seja qualificada e integrada na cultura do país. Aliás, essa é a matriz de Portugal, integrador de gente das mais diversas origens geográficas que se considera português. Nesse sentido, a selecção nacional de futebol é um bom exemplo dessa integração. Tão português é Cristiano Ronaldo da Madeira, Rui Patrício de Leiria, Raphael Guerreiro, nascido em França, Pepe do Brasil, ou Éder da Guiné-Bissau.

Mas é fundamental que nasçam mais portugueses. Desde a década de 80 que se vem acumulando um trágico défice demográfico. Em 1980 nasciam 158 mil crianças, em 2000 passaram para 120 mil, em 2010 já só chegámos ao limiar dos 100 mil. A recuperação de 2016 ainda ficou abaixo dos 90 mil. É urgente dar mais incentivos e condições aos pais. Não apenas esmolas, ou aqueles prémios que as autarquias que mais sentem o inferno demográfico dão. É preciso mais, aumentar os abonos de família e as deduções de IRS para quem garanta a sobrevivência futura deste país. Caso contrário esta nação de quase 900 anos colapsará num verdadeiro inferno demográfico.

Director-adjunto do Correio da Manhã

Armando Esteves Pereira 
30 de março de 2017 às 19:55
Negócios

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum