Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Agosto 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
17 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 17 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

​Fuga para a frente

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

​Fuga para a frente

Mensagem por Admin em Dom Abr 02, 2017 10:53 am

Já cá não estarei, mas gostaria que a visão dos historiadores futuros sobre as elites portuguesas actuais não viesse a ser “conseguiram dar cabo de um país com novecentos anos de história”.

Quando a propósito das transformações por que a União Europeia irá inevitavelmente passar vejo e oiço os defensores da tese de que Portugal deverá manter-se, custe o que custar, doa o que doer, no pelotão da frente, a minha primeira reacção é perguntar: como é possível?

Como é possível que quase todos esses defensores sejam os mesmos que, seguindo o mesmo dogma, nos fizeram entrar na zona euro, com todas as consequências desastrosas que hoje conhecemos? Como é possível que ainda tenham o topete de continuar a defender o mesmo depois de que tudo o que se passou e o defendam para uma situação nacional de ainda muito maior melindre e debilidade do que a que enfrentávamos em1999? Como é possível que ainda não se tenham apercebido da enorme falácia que é defender o ”pelotão da frente” com a justificação da nossa situação periférica, fingindo ignorar que estarmos no pelotão da frente é obrigar-nos a obedecer a regras que não temos qualquer possibilidade de cumprir, assim nos tornamos muito mais periféricos? Como é possível esquecer que estar no pelotão da frente significa sermos absorvidos por um espaço liderado pela Alemanha perdendo as nossas representações internacionais e deixando de ser um estado como tal reconhecido pela comunidade internacional?

Mas depois desta reacção um outro pensamento me ocorre. Afinal temos precedentes. As elites do Estado Novo trataram o problema colonial com a mesma teimosia e o mesmo dogmatismo, arrastando o País para um enorme desastre.

Desastre que ainda será mais terrível e irremediável de deixarmos que a fuga para a frente da miragem do núcleo mais avançado da integração europeia não seja revertida.

Já cá não estarei, mas gostaria que a visão dos historiadores futuros sobre as elites portuguesas actuais não viesse a ser “conseguiram dar cabo de um país com novecentos anos de história”.

31 mar, 2017
JOÃO FERREIRA DO AMARAL
Rádio Renascença 

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum