Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Últimos assuntos
Galeria


Abril 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
      1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30      

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
19 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 19 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

​Fuga para a frente

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

​Fuga para a frente

Mensagem por Admin em Dom Abr 02, 2017 10:53 am

Já cá não estarei, mas gostaria que a visão dos historiadores futuros sobre as elites portuguesas actuais não viesse a ser “conseguiram dar cabo de um país com novecentos anos de história”.

Quando a propósito das transformações por que a União Europeia irá inevitavelmente passar vejo e oiço os defensores da tese de que Portugal deverá manter-se, custe o que custar, doa o que doer, no pelotão da frente, a minha primeira reacção é perguntar: como é possível?

Como é possível que quase todos esses defensores sejam os mesmos que, seguindo o mesmo dogma, nos fizeram entrar na zona euro, com todas as consequências desastrosas que hoje conhecemos? Como é possível que ainda tenham o topete de continuar a defender o mesmo depois de que tudo o que se passou e o defendam para uma situação nacional de ainda muito maior melindre e debilidade do que a que enfrentávamos em1999? Como é possível que ainda não se tenham apercebido da enorme falácia que é defender o ”pelotão da frente” com a justificação da nossa situação periférica, fingindo ignorar que estarmos no pelotão da frente é obrigar-nos a obedecer a regras que não temos qualquer possibilidade de cumprir, assim nos tornamos muito mais periféricos? Como é possível esquecer que estar no pelotão da frente significa sermos absorvidos por um espaço liderado pela Alemanha perdendo as nossas representações internacionais e deixando de ser um estado como tal reconhecido pela comunidade internacional?

Mas depois desta reacção um outro pensamento me ocorre. Afinal temos precedentes. As elites do Estado Novo trataram o problema colonial com a mesma teimosia e o mesmo dogmatismo, arrastando o País para um enorme desastre.

Desastre que ainda será mais terrível e irremediável de deixarmos que a fuga para a frente da miragem do núcleo mais avançado da integração europeia não seja revertida.

Já cá não estarei, mas gostaria que a visão dos historiadores futuros sobre as elites portuguesas actuais não viesse a ser “conseguiram dar cabo de um país com novecentos anos de história”.

31 mar, 2017
JOÃO FERREIRA DO AMARAL
Rádio Renascença 

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum