Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Setembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
12 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 12 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Os caminhos da governação

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Os caminhos da governação

Mensagem por Admin em Dom Abr 02, 2017 11:16 am

Passada esta semana, em que ficaram aparentemente resolvidos dois dos mais pesados dramas do país - a estabilização do sistema financeiro (aparentemente porque aqui há ainda há o Montepio e o Novo Banco estará longe de ser tema de que deixaremos de ouvir falar e pagar) e o batismo do aeroporto do Funchal (nunca tantos falaram tanto sobre assunto tão pouco relevante, mas o certo é que Costa e Marcelo alinharam num espetáculo sem consequências e o caso ainda está a ser analisado pela PGR a pedido do governo!) -, passada esta semana, pede-se que o governo se dedique a... governar.

Bem sei que, sentado em São Bento, António Costa terá sérias dificuldades em encontrar áreas da governação inócuas para as suas relações com Bloco e PCP. Mas é precisamente nesses temas, em áreas em que o governo apostou numa ausência estratégica em nome do tal défice historicamente baixo, que há muito por fazer. A narrativa de que é possível fazer diferente, de que é perfeitamente possível compatibilizar uma política expansionista com a rigidez dos compromissos europeus e a ortodoxia de Bruxelas e de Frankfurt, é apenas parcialmente verdadeira. Sim, houve devolução de rendimentos - aumento do salário mínimo; devolução parcial da sobretaxa sobre o IRS; aumento de pensões nos escalões com maior impacto no combate à pobreza -, mas também é verdade que todas essas medidas conviveram alegremente com um esmagamento do investimento público, com níveis de poupança demasiado arriscados para a eficácia e sobrevivência de alguns serviços públicos. Saúde e Educação são as áreas mais evidentes dessa contribuição forçada para o "défice mais baixo em democracia".

Até quando PCP e Bloco poderão continuar à espera de uma mudança de rumo? Até quando vão verbalizar diagnósticos, críticas e alertas evitando serem politicamente consequentes com esse discurso de combate? É essa uma das grandes questões para o muito que ainda nos sobra de 2017. Temos já aí ao virar do mês o primeiro dos testes: o Programa de Estabilidade 2017-2021. Os 1,6% de défice inscritos no Orçamento para este ano não deixam grande margem para acomodar as exigentes agendas de comunistas e bloquistas. Há uns meses, confrontado com estas questões, João Oliveira, líder parlamentar do PCP, dizia-me que o governo tem nas mãos um Orçamento suficientemente plástico para poder encaixar mais investimento público em áreas como a Saúde ou a Educação. É tudo uma questão de escolhas, de vontade política, dizia. Tenho sérias dúvidas de que assim seja, e uma quase certeza de que Mário Centeno vai repetir a fórmula de manter boa parte do esforço de consolidação do lado da despesa pública. Afinal, resultou neste ano.

02 DE ABRIL DE 2017
00:01
Paulo Tavares
Diário de Notícias

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum