Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Dezembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
17 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 17 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

A matrioska negocial

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

A matrioska negocial

Mensagem por Admin em Dom Abr 02, 2017 3:21 pm


1. 29 de Março. Hoje o Primeiro Ministro Theresa May enviou uma carta ao Presidente do Conselho Europeu, espoletando o Artigo 50 do Tratado de Lisboa. Com este ato começaram formalmente os 2 anos de negociações dos termos em que a saída do Reino Unido da União Europeia ocorrerá. Ninguém sabe como este processo acabará nem qual será o seu impacto. Quantas negociações em paralelo deverão ocorrer? Quantos votos em parlamentos nacionais e algumas vezes regionais por toda a UE serão necessários? O que acontecerá se alguma das negociações falhar ou algum dos acordos for reprovado? Qual o acordo comercial pós saída? A UE afirma apenas desejar negociar os termos deste acordo depois do divórcio concluído; o RU deseja conversações em paralelo. As Universidades agonizam sobre o resultado das negociações. Com elas, estou seguro, muitos outros sectores da agricultura aos serviços financeiros, passando pela indústria automóvel. E os cidadãos Europeus residentes do RU ? E os  britânicos vivendo na Europa? Sabemos bem o que hoje começou; não sabemos como acabará. Entrámos naquilo a que se pode chamar uma matrioska negocial.

2. Henrique VIII. Uma  área fundamental respeita ao normativo europeu. A estratégia do Governo (a chamado “Great Repeal Bill”) prevê incorporar a legislação europeia no direito britânico, evitando assim, um enorme vazio legal. Ao fazê-lo o Governo planeia fazer aquilo que o Ministro David Davis chamou uma saída calma e ordeira da UE, dando tempo ao Governo para emendar ou repelir algumas dessas leis no futuro. Assisti recentemente a uma conferência com Lord John Laws, antigo Lord Justice of Appeals, e uma das maiores autoridades em Direito Constitucional britânico. Lord Laws chamou a atenção para o facto de, uma vez incorporadas no Direito Britânico, as alterações às leis europeias apenas podem ser aprovadas pelo Parlamento num processo que pode levar muito anos. A não ser que o Governo consiga aquilo que Lord Laws chamou o ‘privilégio de Henrique VIII’ ou seja, o poder de executivo de fazer aquilo que muito bem entender.

3. O último primeiro-ministro. Nicola Sturgeon, a primeiro-ministro Escocesa, anunciou hoje a intenção de pressionar a realização de um novo referendo de independência da Escócia. O acordo de partilha de poder na Irlanda do Norte está sobre pressão. Theresa May arrisca-se a ser o último primeiro ministro britânico.

José Ferreira Machado
opiniao@newsplex.pt
2 de abril 2017
SOL

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum