Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Dezembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
18 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 18 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Cada vez menos um país de doutores

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Cada vez menos um país de doutores

Mensagem por Admin em Seg Abr 03, 2017 11:06 am

Quando Nuno Crato anunciou "uma grande aposta" no ensino técnico e na formação profissional, o país caiu-lhe em cima. Que estava a limitar as hipóteses dos miúdos, a condená-los a um futuro profissional medíocre, a empurrá-los para vias secundárias em vez de promover a sua integração na via de ensino regular que lhes permitiria seguir para um curso superior. Considerações próprias de quem ainda acredita que só a universidade pode garantir um futuro profissional condigno - e que claramente não olha para os números do desemprego jovem, que entre licenciados se mantém há cinco anos acima dos cem mil portugueses. Por comparação, a média europeia revela que 85% dos que optam por cursos profissionais - que aqui são muito mais de hotelaria, restauração, cozinha, informática do que de carpintaria, eletricidade ou serralharia -, ao fim do primeiro ano após a formação estão empregados.

Felizmente, a sensibilidade em relação aos cursos profissionais parece ter mudado e hoje é uma ambição assumida também pelo atual governo que mais de metade dos alunos cumpram o secundário neste modelo, em vez de prosseguirem estudos no currículo regular chegando ao fim do 12.º ano, nesse caso sim, sem grandes saídas.

Na última década, o número de alunos no ensino profissional quase quadruplicou, mas de seguida estagnou, havendo hoje cerca de 109,5 mil a optar por esta via, cuja maior vantagem consiste precisamente em chegar ao fim do secundário pronto para construir uma carreira na profissão escolhida. Até Marcelo lembrou recentemente a importância "fundamental para o desenvolvimento do país" de garantir a aposta nestes cursos, com qualidade. Não é preciso nem desejável que todos sejamos doutores. E Portugal, cada vez mais um país apostado nos serviços, só tem a ganhar ao saber formar cada vez melhores, mais competentes e realizados trabalhadores nestas áreas.

Claro que há ajustes a fazer, quer nas áreas de oferta quer nas desejáveis parcerias com empresas que possam assegurar futuras colocações logo à saída das escolas. Mas este é um caminho em que faz sentido apostar, para que as próximas gerações ganhem vantagem competitiva.

03 DE ABRIL DE 2017
00:01
Joana Petiz
Diário de Notícias

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum