Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Dezembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
17 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 17 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Portugal viveu quase uma década com défices externos próximos de 10%

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Portugal viveu quase uma década com défices externos próximos de 10%

Mensagem por Admin em Seg Abr 03, 2017 4:28 pm


Portugal viveu durante quase uma década com défices externos perigosamente perto dos 10% do PIB. Na origem da degradação da posição externa esteve sobretudo o comportamento das empresas: pagamento agressivo de dividendos e um (estranho) crescimento da taxa de investimento fez disparar o recurso à dívida.

Quando a Grécia perdeu o acesso aos mercados financeiros, em 2010, e se espalhou o receio de que mais economias estivessem a caminhar a passos largos para o mesmo precipício, quase toda a gente viu no que estava a acontecer os sintomas agudos de um problema de finanças públicas: o resultado inevitável de anos de desvario orçamental e laxismo na gestão da despesa do Estado. Não é coincidência que ainda hoje, quase sete anos depois de Atenas ter pedido ajuda externa, a maioria dos economistas se refira a este período como a “Crise da dívida soberana da Zona Euro”.

Esta conclusão começou a ser disputada assim que países como a Espanha, que até 2007 tinham sido apresentados como exemplo de rigor orçamental, foram também sugados para o centro do furacão. E tornou-se ainda mais impopular quando economias com dívida pública elevada, como a Bélgica (mais de 100% do PIB), conseguiram passar entre os pingos da chuva, refinanciando a sua dívida sem problemas de maior. Alguns economistas1 juntaram dois mais dois e concluíram que o problema estava noutro lado: nos enormes défices externos que se acumularam ao longo da década anterior na Zona Euro. A dívida pública não parecia ser, em si, um problema – só se tornava um fator de risco quando tinha sido financiada pelo exterior.

Portugal foi uma dessas economias. Se em 1995 tinha relações com o exterior mais ou menos equilibradas, em 2000 o défice externo já estava nuns estratosféricos 9,6% do PIB. E, na década seguinte, pouco mudou. Porquê? Atribuir causalidade é difícil em economia, mas do ponto de vista da contabilidade, não há dúvidas sobre a origem da dívida: as empresas, sobretudo as não financeiras.

A conclusão extrai-se da análise das Contas Nacionais por setor institucional, um quadro estatístico que, para além de ser usado para calcular o PIB, também fornece uma imagem integrada de todas as transações que têm lugar na economia, setor a setor: empresas, setor financeiro, famílias e Estado. Os números não são novos, mas são tão pouco conhecidos que vale a pena recordá-los.

Primeiro, a leitura estática. Em 2008, ano em que o défice externo atingiu o nível mais alto da história recente (11,4% do PIB), eram as empresas que davam o maior contributo para o desequilíbrio: o défice correspondente deste setor era de 10,5% do PIB. O Estado tinha necessidades de financiamento bem mais modestas, na casa dos 3,8% do PIB, que eram parcialmente compensadas pelo excedente das famílias (+1,8% do PIB).

Mas também é possível ler os números ao longo do tempo, e ‘decompor’ o crescimento do défice externo em termos dos contributos relativos de cada setor. E aqui a importância das empresas ganha uma dimensão ainda maior porque, em 1995, quando a economia estava próxima do equilíbrio, as empresas apresentavam também um défice praticamente nulo. Isto é: foi sobretudo o agravamento do saldo das empresas que esteve na base da degradação das contas externas do país. A comparação entre as contas setoriais e as contas agregadas, de resto, fala por si.

Ao longo deste período, as contas dos restantes setores – famílias, Estado e setor bancário – praticamente não registaram alterações relevantes. Claro que houve pequenas oscilações de receitas e gastos, que aqui e ali produziam défices mais altos ou mais baixos; mas, vistas à distância, as contas mostram uma estabilidade impressionante: as famílias tiveram quase sempre excedentes à volta dos 2% do PIB e o Estado gerou défices entre os 3 e 5% do PIB. A ideia de uma orgia de crédito das famílias tem pouco suporte nos dados; e a acusação de despesismo feita ao Estado, apesar de não ser mal fundamentada, tem pouca relevância neste caso, porque o seu défice não era mais alto em 2008 do que em 1995. Foi nas empresas que algo mudou (muito) na antecâmara da adesão ao euro.

Porquê? Dividendos e Investimento
O que é que mudou ao certo? As Contas Nacionais têm informação suficientemente fina para que seja possível destilar melhor o que está na origem da degradação da situação financeira das empresas. E os números disponíveis até 2015 – as contas de 2016 ainda não são públicas – sugerem que há duas grandes explicações.

A primeira é o Investimento. Apesar de a economia portuguesa ter investido pouco nos últimos 15 anos, as sociedades não financeiras parecem não ter sido afetadas por esta tendência. Na verdade, entre 1995 e 2008, o Investimento subiu mais de 3 pontos percentuais (ver tabela). Em 2015, o investimento voltou ao nível em que tinha partido.

A segunda, e mais importante, é a política de distribuição de resultados adotada pelas empresas. Em 1995, os dividendos pagos aos acionistas representavam pouco mais de 3% do PIB, um valor que disparou para cerca de 8% do PIB em 2008. A estratégia inicial, de gerar resultados para investir e distribuir o resto pelos detentores do capital, parece ter mudado radicalmente a partir de 2000. Daí em diante, passou a ser normal recorrer-se à dívida para entregar aos acionistas aquilo que a atividade operacional das empresas já não conseguia produzir.

Porque investiram tanto as empresas quando a economia estava a arrefecer? O que é que as levou a endividar-se para poderem pagar dividendo? Há muitas peças neste puzzle que não encaixam na perfeição – pelo menos, se tudo for analisado à luz da teoria que vê acionistas e gestores como agentes perfeitamente racionais, regidos pelo objetivo único de maximizar o lucro. Mas só respondendo a estas questões será possível compreender o germinar da maior crise financeira por que Portugal passou nas últimas décadas. l

1 Ver “Rebooting the Eurozone: Step 1 – Agreeing a Crisis narrative”, publicado no site de investigação económica Vox, a 20 de novembro de 2015

Pedro Romano, Analista do Jornal Económico
 17:23
Jornal Económico

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum