Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Novembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
16 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 16 Visitantes :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Ensino profissional

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Ensino profissional

Mensagem por Admin em Ter Abr 04, 2017 10:52 am

A aposta do Governo no ensino profissional e técnico é de saudar.

Antes do 25 de Abril existiam em Portugal escolas industriais, comerciais, agrícolas e outras. Ali se recebiam alunos que, por vários motivos (incluindo as finanças domésticas), se julgavam menos aptos para singrarem no ensino liceal, rumo à universidade.

Em 1975, no clima demagógico que então imperava, foi extinto o ensino técnico profissional, que passou a integrar o chamado ensino secundário unificado. A existência de duas vias de ensino era então considerada classista e discriminatória para os que enveredavam pelo ensino técnico.

Estas razões ideológicas cedo chocaram com a realidade. As empresas precisavam de trabalhadores qualificados e não os encontravam; os alunos do secundário que não tinham vocação para estudos mais aprofundados iam engrossar o número de desempregados.

Entretanto, agravava-se a fraca qualificação média dos portugueses, um dos grandes obstáculos à melhoria da produtividade e à aceleração do nosso crescimento económico.

No fim dos anos 80 começou a viragem, que se acentuou em 2008/09, quando os cursos profissionais passaram a ser oferecidos também em escolas públicas. Ontem, Dia do Ensino Profissional, foi confirmado o aumento de 25% das vagas no 10.º ano deste ensino.

Actualmente, 43% dos alunos do ensino secundário em Portugal frequentam cursos técnicos e profissionais. O Governo tem o objectivo de chegar a metade, que é a média europeia.

O presidente da Agência de Qualificação pretende, assim, acabar com os estigmas que ainda possam existir em relação a esta alternativa às vertentes mais tradicionais, como os cursos científico-humanísticos.

Sabe-se que o desemprego tem vindo a baixar em Portugal, embora lentamente. E que a criação de empregos tem muito a ver com o forte surto turístico a que estamos a assistir.

Mas é um erro pensar que um curso técnico-profissional não valoriza o trabalho nos sectores do turismo e da restauração. Com reflexos nos respectivos salários.

FRANCISCO SARSFIELD CABRAL
04 abr, 2017
Rádio Renascença

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum