Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

cais  tvi24  cmtv  

Últimos assuntos
Galeria


Janeiro 2018
DomSegTerQuaQuiSexSab
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031   

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
10 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 10 Visitantes :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Pres. da Câmara dos Despachantes Oficiais: Comércio internacional será totalmente liberalizado

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Pres. da Câmara dos Despachantes Oficiais: Comércio internacional será totalmente liberalizado

Mensagem por Admin em Qua Jun 25, 2014 12:09 pm


O presidente da Câmara dos Despachantes Oficiais, Fernando Carmo, acredita que o comércio internacional será totalmente liberalizado no futuro e que o acordo que está a ser negociado entre Estados Unidos e União Europeia é mais um passo deste processo.

"Eu penso - é a minha opinião pessoal - que o comércio internacional, mais tarde ou mais cedo, vai se totalmente liberalizado. Este acordo [Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento] entre Estados Unidos e União Europeia é apenas mais um reflexo", afirmou à agência Lusa.

A parceria, conhecida pela sigla inglesa TTIP, visa eliminar tarifas alfandegárias e alcançar uma harmonização regulatória entre os dois maiores blocos económicos mundiais.

Fernando Carmo lembrou que "já não há barreiras" entre os 28 países da União Europeia e apontou outros casos como o Mercosul (mercado comum sul-americano), a ALCA (área de livre comércio que junta Canadá, EUA e vários países sul-americanos), bem como várias organizações asiáticas, para concluir que "só uma parte muito reduzida do mundo não faz parte de um ou outro acordo" deste género.

"Isto tem muito a ver com os interesses das multinacionais que querem ter uma fábrica em Singapura, outra na Argentina, outra na China, outra nos Estados Unidos e querem que os bens deles, que normalmente são produtos inacabados, circulem entre elas. Querem poder transportar as suas mercadorias de um lado para o outro sem que ninguém os incomode", adiantou.

O responsável da CDO frisou que as alfândegas são vistas como "uma barreira ao comércio internacional" e mostrou-se convicto de que o livre comércio estaria mais avançado, se não fosse o atentado terrorista do 11 de Setembro, que voltou a dar capacidade de intervenção às alfândegas numa altura em que estas estavam a perder influência.

Questionado sobre se o fim das alfândegas significa também o fim dos despachantes, Fernando Carmo respondeu que estes devem tornar-se mais eclécticos: "O despachante tem de deixar de ser o despachante oficial, canalizado para a declaração [alfandegária] para passar a ser um consultor de comércio internacional. (...) Especializámo-nos quase exclusivamente em questões aduaneiras e hoje não é por aí que vamos lá. Temos de ter abertura a outras áreas que têm a ver com o início e o fim da cadeia comercial, é preciso saber um pouco de direito internacional, de contratos, de crédito bancário".

Já as alfândegas deviam deixar de ser "entidades cobradoras de impostos" e passar a "acompanhar os operadores para promover a economia".

Em 1993, com a criação do mercado interno europeu, o número de despachantes passou de 600 para metade, existindo actualmente cerca de 250, um número que Fernando Carmo disse que deve ser reduzido.

"Se tivéssemos entre 35 e 50 empresas perfeitamente organizadas seria o ideal, porque não há mercado para mais", destacou, apontando também oportunidades com a abertura de fronteiras.

"Estou convencido de que, em 2017 2018, o novo código comunitário trará a abertura das fronteiras de serviços aduaneiros. (..) Temos de estar preparados", frisou.

Fernando Carmo disse que "os grandes portos estão lá fora" e que esta é uma oportunidade que se abre. "Se tivermos empresas organizadas, a trabalhar como deve ser, têm oportunidade de criar um escritório em Roterdão" ou noutros portos europeus

25-06-2014
CARGO Edições,Lda © 2014

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16761
Pontos : 49160
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 31
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum