Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Tópicos similares
    Conectar-se

    Esqueci minha senha

    Palavras chave

    tvi24  

    Últimos assuntos
    Galeria


    Dezembro 2017
    DomSegTerQuaQuiSexSab
         12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31      

    Calendário Calendário

    Flux RSS


    Yahoo! 
    MSN 
    AOL 
    Netvibes 
    Bloglines 


    Quem está conectado
    15 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 15 Visitantes :: 1 Motor de busca

    Nenhum

    O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

    A pós-mentira

    Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

    A pós-mentira

    Mensagem por Admin em Qua Abr 05, 2017 11:09 am

    A pós-mentira é o descrédito e a desilusão dos cidadãos quando confrontados com a realidade, depois de terem sido ludibriados com falsas expetativas

    Políticos, politólogos, sociólogos, jornalistas e analistas de toda a espécie andam preocupados e produzem em larga escala teorias e estudos sobre a pós-verdade, que mais não é do que uma mentira mais ou menos hábil e verosímil posta a circular com determinada finalidade perversa. Num acesso de modernice genial ou de tontice (está para se perceber), uma assessora de Trump terá batizado esta velha prática como “factos alternativos”.

    No jornalismo antigo chamava-se a esse tipo de coisa rumor ou boato. Aprendia-se nas redações que estas situações não eram notícia e que só muito excecionalmente podiam ser referidas, e apenas para serem desmentidas. Por vezes, lá se citavam rumores sobre eventuais golpes de Estado em países distantes, ressalvando-se que não havia confirmação independente. Explicava--se ainda que os jornalistas existiam para intermediar e eliminar esses rumores e boatos, dando aos cidadãos uma versão correta e objetiva, tanto quanto era possível. Por muito estranho que pareça a alguns, e apesar da nova sofisticação das designações a respeito de situações antigas, é essencial que a sociedade de hoje tome consciência de que o papel de mediação dos jornalistas é ainda a sua função primordial, sobretudo num tempo em que as redes sociais promovem e facilitam a ausência de um crivo permanente, facilitando o espalhar de falsidades, mas também (reconheça-se) de muitas verdades incómodas.

    Mas deixemos este produto da pós- -verdade e tudo o que ele comporta para nos fixarmos em algo mais importante: a pós-mentira.

    A pós-mentira é mais fácil de explicar. No fundo, é a realidade nua e crua com que os cidadãos se confrontam quando surge a consequência de um discurso e chega a hora de comparar o prometido com os factos concretos em que determinada situação redundou. A pós-mentira é dramática e muitas vezes sinistra, porque ela é normalmente a materialização concreta e palpável de uma situação negativa que não foi colocada frontalmente ao cidadão comum, apesar de ser perfeitamente expetável.

    Exemplos não faltam em tudo e para tudo. Na política, a pós-mentira é ganhar eleições prometendo que não se aumenta impostos e depois anunciar o maior agravamento de sempre. É também convencer os eleitores de que, com obras públicas como o TGV e aeroportos, se ia resolver o problema do país, quando na realidade não havia dinheiro para nada. Na economia era anunciar que as soluções encontradas para bancos como o BPN, o BES, o Novo Banco e o Banif não teriam consequências para os contribuintes que, entretanto, já meteram mais de 13 mil milhões na banca, sem contar com perdas laterais e o que está para chegar. Era também proclamar que estaríamos todos melhor quando se vendessem empresas do Estado que davam dividendos, quando agora se vê que perdemos coletivamente com isso. Era anunciar o fim da austeridade e depois introduzir agravamentos indiretos e cativações que superam ou são iguais às reversões havidas. A pós-mentira era fazer crer que o petróleo de Angola ia salvar os angolanos e os portugueses, e que o Brasil seria uma economia fabulosa no futuro. A pós- -mentira foi criar reguladores e provedores para tudo e mais alguma coisa e, depois, o consumidor não ter hipótese rigorosamente nenhuma de se defender das grandes companhias de telecomunicações, de seguros, de luz ou de água. A pós-mentira são os alimentos vendidos como dietéticos e que fazem mal, ou os que são impingidos como saudáveis mas que estão carregados de sal e de açúcar. A pós-mentira é comprar um carro que supostamente gasta quatro litros mas que, na realidade, consome oito ou polui quatro vezes mais do que estava referenciado, causando danos ambientais ao planeta.

    A pós-mentira é isso e muito mais. É o dia a seguir. É a realidade concreta e objetiva. É a consequência do embuste político ou económico. É, em casos-limite, a manipulação de seres humanos em nome de credos e religiões, levando-os a cometer atos bárbaros, matando inocentes em atos terroristas. Preocupar-se com a pós-verdade é importante. Mas a pós-verdade é simplesmente o boato na sociedade moderna. Já a pós-mentira é a aldrabice de sempre que é anunciada como a solução sem dor, mas que acaba por desabar em cima do cidadão e é propalada em praticamente tudo aquilo que diz respeito à vida social, económica e política do ser humano. A pós-mentira é o descrédito e a desilusão perante a realidade num mundo sobre o qual se informa cada vez mais e se sabe cada vez menos.

    Jornalista

    05/04/2017
    Eduardo Oliveira E Silva 
    opiniao@newsplex.pt 
    Jornal i

    _________________
    Cláudio Carneiro


    Facebook
    avatar
    Admin
    Admin

    Mensagens : 16760
    Pontos : 49157
    Reputação : 0
    Data de inscrição : 07/12/2013
    Idade : 30
    Localização : Sines

    Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

    Voltar ao Topo Ir em baixo

    Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

    - Tópicos similares

     
    Permissão deste fórum:
    Você não pode responder aos tópicos neste fórum