Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Dezembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
17 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 17 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Quem está a seguir?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Quem está a seguir?

Mensagem por Admin em Qua Abr 05, 2017 11:22 am


E, em termos de Barreiro não cufista, mas igualmente tão importante como o foi a área ferroviária, vai continuar a destruir-se todo esse património?

E a obra prima de Miguel Pais, a estação fluvial do Barreiro, vai permanecer ao abandono e à espera de que, daqui a alguns, bem poucos, anos, só existir em postais ilustrados da época?

Há muitos, muitos anos, existiu um sistema de racionamento de alguns géneros alimentícios essenciais, designadamente o açúcar, o arroz e o pão.

Quando, em Fevereiro de 1946, vim viver para o Barreiro, lembro-me das senhas de racionamento serem distribuídas, na Câmara, pelo senhor Joaquim Simplício.

Assim , ao agregado familiar de meu Pai, constituído por três pessoas, eram atribuídas, mensalmente, correspondendo a cada senha um quilo do género a que respeitava, três para o açúcar e três para o arroz.

Quanto ao pão, julgo que a ração diária seria de dois papo-secos por cabeça.

Mas, volta não volta, havia escassez de batatas e de bacalhau, formando-se então, grandes bichas (nesse tempo filas só as indianas!!!)à porta das mercearias que tinham esses alimentos à venda.

Para evitar atropelos, por parte de alguns “chicos espertos”, à porta das lojas costumavam estar um dos seus empregados, que, após a saída de um cliente, perguntava: quem está a seguir?

Ora, esta recordação do meu passado de barreirense (nascido na Ponta do Sol), surgiu a propósito da próxima destruição do Posto Médico da CUF, bem como de outros antigos edifícios que foram daquela Empresa.

O que irá constituir, mesmo não sendo essa a opinião dominante (???) e perante a apatia autárquica e dos Partidos Políticos representativos do Barreiro, um verdadeiro atentado contra o património industrial deste município.

E a classificação, como incapazes ou incompetentes, de quantos dos nossos Arquitetos seriam bem capazes de enquadrar esses edifícios na chamada teoria, agora tão em voga, da requalificação.

Por isso a pergunta: quem está a seguir?

A antiga Sede do Grupo Desportivo da CUF? O mausoléu de Alfredo da Silva? O monumento comemorativo dos 100 anos da CUF? 

E, em termos de Barreiro não cufista, mas igualmente tão importante como o foi a área ferroviária, vai continuar a destruir-se todo esse património?

E a obra prima de Miguel Pais, a estação fluvial do Barreiro, vai permanecer ao abandono e à espera de que, daqui a alguns, bem poucos, anos, só existir em postais ilustrados da época?

Jorge Fagundes
04.04.2017 - 19:35
Rostos

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum