Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Outubro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
17 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 17 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

A falência do Estado

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

A falência do Estado

Mensagem por Admin em Qua Abr 05, 2017 11:26 am

A falência do Estado não ocorre apenas quando se torna impossível pagar a dívida contraída e as despesas de tesouraria. Essa falência já existe quando, repetidamente, o Estado junta as migalhas dos contribuintes para servir banquetes ao sistema financeiro. A ameaça do efeito sistémico provocado pela falência de um banco deixa o Estado refém, incapaz de tomar decisões com racionalidade política. A cada decisão, a cada banco que temos de socorrer, optamos sempre pelo menos mau. Desistimos de querer tomar boas decisões, porque assumimos que os outros podem decidir por nós. Treze mil milhões de euros depois, não nos consola ouvir o Presidente da República dizer que "podemos ficar descansados". Estamos cansados destas garantias, porque o Estado falhou. Falhou na fiscalização, na prevenção e na resolução dos problemas.

Com tanto falhanço, é evidente que os quase quatro mil milhões de euros colocados no Fundo de Resolução para dar vida ao Novo Banco, mais os quase quatro mil milhões que agora servem de garantia ao Lone Star podem nunca voltar aos cofres do Estado. Garantido é que os 25% da Caixa Geral de Depósitos podem vir a ser o equivalente a dois mil milhões que teremos de pagar.

Correndo atrás do prejuízo, perdendo a noção da riqueza desperdiçada com tantos milhões na equação, é natural que o Estado se esqueça de coisas tão comezinhas como proteger as suas crianças. Não são milhões, é "apenas" uma dúzia, o número de raparigas que, em 2016, estavam internadas em centros educativos. Todas, sem exceção, foram ali parar idas do sistema de promoção e proteção de menores. Estavam sinalizadas e "o Estado falhou na proteção destas jovens", diz-nos Maria do Carmo Peralta, presidente da Comissão de Acompanhamento e Fiscalização dos Centros Educativos. Três destas raparigas, agora de maioridade, tiveram penas tutelares quando eram menores. Na segunda-feira foram detidas por suspeita de assaltarem taxistas com uma faca. O Estado estava muito ocupado a salvar bancos, já nem se lembrava delas.

05 DE ABRIL DE 2017
00:01
Paulo Baldaia
Diário de Notícias

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum