Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Novembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
16 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 16 Visitantes :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

O melhor défice da Democracia

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

O melhor défice da Democracia

Mensagem por Admin em Qui Abr 06, 2017 10:33 am

Estamos todos de parabéns! O défice do ano de 2016 atingiu 2.1% do PIB – o melhor défice da democracia, porque os governos de Cavaco Silva, não contam para democracia – o que é motivo de festa para todos os que sempre disseram que os défices têm de ser baixos.

Com um défice de cerca de 3% do PIB (sem contar com o BANIF) em 2015, o ponto de partida do governo Costa foi simpático, mas o esforço este ano foi ainda assim significativo. Foi preciso o estado cortar o investimento público para metade e beneficiar de emissões de dívida baixas do passado que no presente pagam menos juros. As cativações foram severas, mostrando que com vontade e conivência dos sindicatos não há serviço público que não sobreviva com simpáticos cortes. E sobretudo se mostrou que o documento tão badalado que todos os anos se discute e que dá pelo nome de “Orçamento do Estado” é para enganar o Parlamento e os jornais. A execução depois pode ser uma coisa completamente diferente do acordado (o investimento público, por exemplo, era para subir, não para afundar) que ninguém se queixa. Mesmo os que deram o seu aval por causa de medidas que agora estão no Reino da Fantasia.

Olhando aliás para a execução orçamental, poder-se-ia dizer que o défice que iríamos ter se o governo executasse o que o Parlamento aprovou se situaria bem acima dos 3% do PIB. Ainda bem que não fomos atrás daquela loucura e o governo fez bem em dar ouvidos a todos os que avisaram há quase dois anos que o Orçamento de 2016 não era cumprível.

Mas tudo está bem quando acaba bem. O défice está baixo (a dívida subiu mais, mas isso não interessa para nada que a dívida não é para pagar) e vai baixar mais. Tudo isto enquanto se sobem os impostos em coisas inúteis como a gasolina e se baixa nos jantares no restaurante ao mesmo tempo que se garante que as reformas milionárias e os IRS mais altos voltaram a ser repostos. Felizmente as coisas para António Costa correm bem: já prometeu que vai integrar nas contas do estado – perdão, na Função Pública – no mínimo 80 mil trabalhadores (sem concurso, claro).

MICHAEL SEUFERT
06.04.2017 às 7h00
Expresso

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum