Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Outubro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
14 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 14 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

​A escravatura não acabou

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

​A escravatura não acabou

Mensagem por Admin em Qui Abr 06, 2017 10:39 am

O tráfico de seres humanos para exploração laboral está em alta em Portugal, sobretudo na agricultura.

O tráfico de seres humanos é uma tenebrosa actividade em expansão em Portugal. O jornal “Público” informa que o número de vítimas confirmadas deste tráfico quadruplicou no nosso país entre 2015 e o ano passado. E as vítimas suspeitas de haverem sido traficadas subiram de 193 para 261.

Há muitos portugueses entre as vítimas. Mas também há imigrantes estrangeiros, nomeadamente nepaleses. A exploração laboral, sobretudo na agricultura, representa 58% dos casos. As pessoas são levadas de município para município, de acordo com a sazonalidade das culturas. E são infamemente exploradas, desde os salários que não lhes são pagos até às condições infra-humanas de habitação.

A escravatura foi abolida por lei em 1869 no território português. Mas nas colónias prosseguiu de facto sob várias formas. Aliás, Portugal destacara-se pela negativa no tráfico de escravos entre África e o Brasil. Ora muitas vítimas de tráfico de seres humanos encontram-se em situações próximas da escravatura.

Para nossa vergonha, no presente tráfico de seres humanos não há portugueses apenas entre as vítimas – também existem entre os algozes. Diz o “Público” que em dois casos de tráfico que vão a julgamento este mês em Santarém há 15 arguidos portugueses.

Reclama-se, naturalmente, mais e melhor fiscalização pelas autoridades. Mas existe um dever moral de denúncia da parte de quem saiba, ou suspeite, de casos de exploração de pessoas em regime de quase escravatura – tal como existe esse dever em situações de violência doméstica, por exemplo. E as forças de segurança terão de proteger os denunciantes de prováveis retaliações violentas dos denunciados, que em geral não são propriamente cidadãos cordatos.

06 abr, 2017
FRANCISCO SARSFIELD CABRAL
Rádio Renascença

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum