Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Setembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
12 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 12 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

A saída portuguesa

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

A saída portuguesa

Mensagem por Admin em Qui Abr 06, 2017 10:54 am

O que António Costa fez foi algo especialmente importante para os dias que correm. Foi uma lição sobre como dispensar o populismo.

Ao exigir a demissão de Jeroen Dijsselbloem, e da forma perceptível com que o fez para toda a extensão da União Europeia,  António Costa disse “basta” ao estereótipo, explícito ou insinuado, de maus costumes, de inferioridade e de posição de favor dos países europeus do Sul, das suas populações e das suas culturas. Não foi o único, mas foi dos primeiros e sem hesitações, a ponto de ainda ter merecido uma reacção inútil do seu congénere dos Países Baixos. Dijsselbloem será demitido, mesmo unanimemente demitido, mas, mais importante, será demitir com ele a atitude política que o define e que teve equivalentes, mais ou menos salientes em toda a Europa, e, sem qualquer dúvida, também no nosso país.

Dijsselbloem diz que é o estilo dele, mas longe disso; na verdade, ele apenas o macaqueia e é o original que tem de ser demitido. Por isso o sinal de mudança que Costa deu tem de transcender o ministro holandês, o seu último episódio e as suas caricatas justificações culturais. Há que pôr termo a esta espécie de maledicência europeia que beneficia da vantagem de correr como um boato, sem a desvantagem de ter de ser feito nas costas, a que chamamos estereótipo, e que foi durante anos o padrão de comunicação dos mesmos políticos que fizeram da austeridade uma política europeia de integração sem inclusão.

É bom não esquecer as analogias gastas dos “alunos coitadinhos que sofrem tanto para aprender” ou aquele célebre “não sermos piegas” que nem a pieguice de assumir para si o que destinava a outros alvos conseguiu evitar. Demasiado parecido com a pobre retórica do ainda presidente, mas já a prazo, do Eurogrupo, que tem de ser demitido por não se conceber a maturidade de sair pelo seu próprio pé. É bom não esquecer os moralismos e pedagogismos de pacotilha com que, durante anos, em tiradas de mediano português, foi justificado o empobrecimento abrupto da sociedade portuguesa. Por isso, para uma maioria social de portugueses esmifrados por vários anos de austeridade teria mesmo de saber a “só se perderam as que caíram no chão” ouvir palavra por palavra a desanca do seu primeiro-ministro.

É que não é só Dijsselbloem que está a ser demitido. O que António Costa fez foi algo especialmente importante para os dias que correm. Foi uma lição sobre como dispensar o populismo. Sendo imprescindível compreender a lógica do populismo e os factores que o favorecem hoje em dia, Costa mostrou, ao exigir categoricamente esta demissão, que para vencê-lo importa muito mais descalçá-lo, sacar-lhes as oportunidades e deixá-lo tão mudo como os amuados arremedos de Dijsselbloem e seus equivalentes. Isto é fazer mais contra o populismo do que uma centena de declarações atentíssimas sobre os seus perigos.

Pela primeira vez ao fim de vários anos, o paternalismo que diminui e incomoda o povo não ficou sem resposta. Não uma resposta populista, amplificadora de zangas e exclusões, que é apenas uma outra forma de nos imbecilizar, mas resposta de um representante que soube interpretar no momento certo, com as palavras certas, o sentimento dos concidadãos que representa. E este é o único caminho certo para vencer democraticamente o populismo. Saber representar o povo, um povo constituído por cidadãos adultos, com anseios e preocupações de adultos, pessoas autónomas que desejam ser representadas por outros cidadãos adultos e que os levem a sério.

Na fase em que nos encontramos, em que Theresa May e o exaltado Nigel Farage já perderam o lugar donde poderiam contestar a Europa dos Dijsselbloems, e em que para os lados da Polónia e da Hungria a credibilidade dos representantes raia o zero, é o tipo de representação de Costa que devolve a política à Europa. Decerto, com outros como Martin Schulz, que desejavelmente deve tomar o lugar de Angela Merkel na Alemanha e, mais substancialmente, afastar Schauble do centro da vida económica europeia.

Mas nada disto parece ocorrer a um incrédulo Marques Mendes que ainda há dias achava que a capa do Expresso da semana passada, colocando a possibilidade de Centeno vir a assumir o lugar de Dijsselbloem no Eurogrupo, só podia ser uma partida de 1.º de Abril. Compreende-se a incredulidade. Seria passar, como bem diz, “um enorme atestado de credibilidade à geringonça”. E no entanto é precisamente deste tipo de inflexões que a Europa precisa. No xadrez europeu, a melhor saída ainda acabará por ser a portuguesa.

O autor escreve segundo a antiga ortografia.

André Barata, Filósofo
 00:08
Jornal Económico

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum