Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Agosto 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
18 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 18 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Culpa sem direito a recurso

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Culpa sem direito a recurso

Mensagem por Admin em Qui Abr 06, 2017 11:04 am

No café, nos transportes, na rua é tolerável. Todos temos um bitate sobre os casos mais mediáticos de justiça. Os políticos são invariavelmente culpados, muito antes de serem julgados. As notícias vão escorrendo e o julgamento na praça pública é inevitável. Os casos, alguns complexos, arrastam-se durante anos e os visados são demolidos no julgamento popular. Não há como escapar a isto. Mesmo quando os notáveis arguidos são ilibados, a mancha raramente é apagada porque fica na memória coletiva o alegado pecado original.

O caso que envolve um antigo e mais próximo ministro de Cavaco Silva demorou oito anos a ser resolvido. Durante oito anos, Dias Loureiro esteve sob a suspeita de enriquecimento ilícito, fraude e burla qualificada. A Justiça investigou, cruzou dados, cruzou mais dados e mais dados, e decidiu arquivar o inquérito contra o antigo dirigente do PSD.

Se já é questionável o tempo que um processo deste género demora e o dano que isso causa na vida dos arguidos, o modo como o Ministério Público decidiu arquivar este processo é ainda mais questionável.

O despacho de arquivamento de 101 páginas concluiu que não houve crime, mas manteve todas as suspeitas. Sim, parecido com aquelas conversas de café, de transporte público e de rua. Condenação sem julgamento.

Transcrevo do despacho: "Pese embora o facto de não ter sido recolhida prova suficiente do recebimento dessa vantagem pessoal, à custa do grupo BPN/SLN, subsistem as suspeitas, à luz das regras da experiência comum." As suspeitas são todas as que levaram à abertura do processo e prevalece a "experiência comum"...

Provar se houve crime é a obrigação da Justiça, até porque em Portugal não existe a inversão do ónus da prova. Se há prova, é condenar sem dó nem piedade os notáveis pelas vantagens ilícitas dos altos cargos que exercem, tal como se condenam os pobres desgraçados, sem a mesma capacidade de defesa. Mas se o Ministério Público não o consegue, ou é mesmo porque não houve crime ou é porque quem o cometeu foi demasiado habilidoso para ser apanhado. Num caso ou no outro, o arquivamento, a existir, tem de ser tão-só isso mesmo. Sem suspeitas ou meias suspeitas. De outro modo há uma condenação sem julgamento, apenas com a diferença de uma pena efetiva por cumprir. Com despachos deste género há uma que pesa como chumbo sobre os que tiveram a vida suspensa durante tanto tempo: a culpa sem direito a recurso. Pelo menos na Justiça nacional.

06 DE ABRIL DE 2017
00:01
Paula Sá
Diário de Notícias

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum