Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Outubro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
16 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 16 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Não basta à China a base no Djibuti

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Não basta à China a base no Djibuti

Mensagem por Admin em Qui Abr 06, 2017 11:05 am

Na apresentação do livro A Era do Caos, ontem, no Instituto Italiano de Cultura, em Lisboa, o jornalista Federico Rampini falou muito dos Estados Unidos, onde vive, e também da China, onde já trabalhou como correspondente para o La Repubblica. E quando teve de dar um exemplo de como a China era uma clara potência em ascensão, recordou que o gigante asiático tem agora uma base militar no Djibuti, pequeno país de África que também acolhe militares da França, antiga potência colonial, e dos EUA, a atual potência hegemónica.

Quer isto dizer que a cimeira de hoje entre Donald Trump e Xi Jinping é um encontro entre iguais? Do ponto de vista formal, sem dúvida. Os Estados Unidos e a China são o número um e dois mundiais tanto do ponto de vista da economia como do poder militar convencional, sendo certo que em termos de PIB os chineses até estão já à frente dos americanos se a estatística usada for a da paridade de poder de compra. Contam ainda com o terceiro (América) e quarto maiores territórios e com a primeira (China) e terceira maiores populações. Diferença claríssima é na história, com a plurimilenar China a lidar com uns EUA, que só em 2026 celebrarão os 250 anos da declaração de independência.

Mas a juventude aqui funciona como uma mais-valia. Enquanto a China só nas últimas décadas inverteu um longo processo de decadência (em 1776 o Império do Meio era a nação mais rica do mundo), os Estados Unidos estão há um século na liderança, posição reforçada depois da Segunda Guerra Mundial e ainda mais a seguir à implosão da União Soviética. Essa liderança - e aqui regresso ao italiano Rampini, em conversa no final da entrevista que hoje publicamos - cede pouco a pouco terreno para a China tanto na economia como no poderio militar, mas mantém-se sólida na vantagem em termos de soft power. Rampini citou-me o pensador marxista italiano Antonio Gramsci, que dizia que os impérios não se constroem só com base no poder militar, constroem-se com poder económico e com ideias. Ora, essas ideias são o soft power, que vai desde o ideal democrático ao peso da língua inglesa, passando por Hollywood, a NBA e as universidades da Ivy League. Por muito errático que seja Trump e por muito visionário que seja Xi, "não há ainda um sonho chinês que o resto do mundo gostasse de partilhar", lembrou o jornalista que vive hoje em Nova Iorque.

06 DE ABRIL DE 2017
00:02
Leonídio Paulo Ferreira
Diário de Notícias

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum