Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Dezembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
17 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 17 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

"O meu filho não mente!"

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

"O meu filho não mente!"

Mensagem por Admin em Qui Abr 06, 2017 11:08 am

Em muitos locais, mas também nas escolas, não raras vezes, os pais e encarregados de educação, na ânsia de demonstrar que em casa a educação é regrada e plausível, afirmam categoricamente aquilo em que acreditam ou gostariam fosse verdade, tentando defender os filhos, independentemente da circunstância.

"O meu filho não mente!", é uma frase escutada com frequência pelos educadores que diariamente lidam com alunos cheios de energia, aprendizes da vida, com vontade imensa de crescer, a quem, quase naturalmente, é apanhada uma ou outra mentira, ou em linguagem mais política, uma pós-verdade!

Não me repugna, uma vez por outra, em situações de irrelevante importância, as crianças/adolescentes tentarem "pregar" a respetiva peta, procurando explicar algo que correu menos bem, ou até, em nome da solidariedade com o amigo ou colega. Não concordo com a prática, mas aceito-a em tenra idade, por circunstâncias menores.

Porém, deixa-me estupefacto a explicação de alguns (um número residual, note-se) pais e encarregados de educação que, quantas vezes à frente dos respetivos educandos (grande asneira!), dizem em voz alta e com um orgulho desmesurado "O meu filho não mente!". Não satisfeitos, acrescentam, tentando dissipar dúvidas sobre a Educação em casa: "Eu sei tudo, ele/ela conta-me tudo, porque nós somos os/as melhores amigos/as... sou seu/sua confidente..."

Caros pais e educadores, eu desconfio que isto possa não ser verdade!

Se há pais que acreditam piamente naquilo que os filhos dizem, outros são sabedores da fuga à verdade por parte dos mesmos, embora lhes dê jeito pensar o contrário para (en)cobrir fragilidades na educação, mau grado parte destas atitudes possam não estar relacionadas com a educação parental...

Contudo, até percebo que algumas destas crianças/adolescentes sejam, às vezes, pequenos pinóquios, por determinadas razões:

1. Pais muito obcecados pelos seus filhos - querendo proporcionar aos mais pequenos aquilo que não tiveram, caem no exagero de não conferir tempo livre aos seus educandos, pejados de um horário cronometrado ao segundo que, para além da carga letiva, é preenchido com "resmas" de atividades extraescolares (ATL, desporto, música...), com a única preocupação de ocupar o tempo; a quantidade sobrepõe-se, nitidamente, à qualidade! Alguns são fanáticos pelos resultados, pressionando-os para obter nos testes excelentes classificações.

2. Desconfiança versus insegurança - a educação parental não pode ignorar a autonomia das crianças/adolescentes, que se desenvolve e atinge o seu apogeu na exata medida do respetivo crescimento; hoje em dia, a maioria já possui telemóveis que dão muito jeito aos pais impacientes, controladores à distância dos seus filhos (para muitos um verdadeiro controlo remoto...), desenvolvendo-lhes a insegurança e desconfiança; não estamos a educar para a autonomia quando lhes ligamos diversas vezes durante o dia ou ao longo da noite (!) - melhor é não saírem de casa!

3. Comportamentos parentais - Escola e espaços públicos - pais que diabolizam a escola, apontando apenas os defeitos, quantas vezes para ocultar as suas ações ou omissões, mais grave ainda quando o fazem à frente dos filhos, não são bom exemplo; pais que insultam os jogadores da equipa adversária dos seus filhos e os árbitros, desconhecendo (?) o mal causado e os problemas conexos ocasionados, mesmo àqueles que julgam proteger, são pais maus.

Face a isto, não é de admirar a atuação menos positiva por parte de algumas crianças/adolescentes, que afinal não têm uma "relação muito aberta" com os seus pais, como estes julgam (e, em algumas situações, ainda bem).

Muitos destes jovens, alguns daqueles que "não mentem", são verdadeiros heróis, tendo em conta o ambiente adverso em que crescem; a estes, muito particularmente, rendo a minha homenagem pelo facto de não se deixarem influenciar por fatores externos hostis e primarem a sua conduta por valores de cidadania condizentes com os seus princípios.

*PROFESSOR/DIRETOR

Filinto Lima*
Hoje às 00:01
Jornal de Notícias

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum