Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Últimos assuntos
Galeria


Junho 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
    123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930 

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
17 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 17 Visitantes :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

A região portuguesa do Alentejo rainha do super-intensivo de espanhol

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

A região portuguesa do Alentejo rainha do super-intensivo de espanhol

Mensagem por Admin em Qui Abr 06, 2017 11:35 am


Em 40% da região suplantado as variedades locais para o benefício de Arbequina, Arbosana, Koroneiki e Picual. A necessidade, uma vez que quase 50% das exportações de azeite Português visa precisamente Espanha

Portugal é um dos países fundadores do Conselho Oleícola Internacional em 1959 e será o país-sede do Comité Consultivo de Coi, em 18 de maio.

Portugal é a quarta força produtiva Europeia, depois da Espanha, Itália e Grécia e nos últimos 10 anos, a olivicultura Português tem muito desenvolvido.

De acordo com dados do azeite Português Com cobre 352.000 hectares, 23% dos quais são irrigadas. A região Olivicola mais importante é que do Alentejo, onde há cerca de 50% da superfície de oliva, seguido por Trás-os-Montes (22%), o centro (18%), Ribatejo (7,7%) e Algarve (2,3%) .

O 97,5% dos Olivicola superfície destina-se à produção de petróleo, apenas uma quota piccolossima, por isso, é destinada à produção de azeitonas de mesa.

Hoje cerca de 40% da área de cultivo de oliveiras da região do Alentejo é ocupado por Arbequina, Arbosana, Koroneiki e Picual, suplantando o Carrasquenha, a principal variedade da área.

Os mais difundidos cultivares nativas portugueses, no entanto, é a Galega Vulgar, juntamente com a Cobrançosa, a principal variedade da região de Trás-os-Montes.

Outras variedades importantes são Cordovil de Serpa na região do Alentejo, Verdeal e Madural em Trás-os-Montes e Cordovil de Castelo Branco na região da Beira Interior.

O volume de negócios total da empresa sector do azeite Português quase 95 milhões de euros, o equivalente a 1,36% da produção agrícola em Portugal, onde 495 são fábricas de ativos, 12 refinarias de azeite e 17 plantas para produzir óleo de bagaço .

A produção nacional de azeite quase dobrou na última década, passando de 60 000 toneladas em 2005 para a corrente 109.000, dos quais 78% é extra virgem, virgem e 17% 4% claro.

Olhando para as exportações de petróleo portugueses vai notar de imediato como a Espanha absorvem quase 50%, praticamente a totalidade da quota de óleos Arbequina, Arbosana, Koroneiki e Picual. Plantas muitas vezes feitas de investidores ibéricos.


24% de óleo de Português, em seguida, toma o caminho do Brasil, com o qual Portugal sempre teve relações comerciais privilegiadas, seguida pela Itália (14%) e quotas, em seguida, mais baixas em Angola (3%) e França (2%) até 0,5% na Alemanha.

No geral Portugal vende no exterior de petróleo, especialmente de oliva extra virgem (81%), seguido de azeite (11%) e óleo de bagaço de azeitona (8%).

Por TN
05 abril de 2017 em Traços
Teatro Naturale 

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum