Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Outubro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
22 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 22 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

A região portuguesa do Alentejo rainha do super-intensivo de espanhol

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

A região portuguesa do Alentejo rainha do super-intensivo de espanhol

Mensagem por Admin em Qui Abr 06, 2017 11:35 am


Em 40% da região suplantado as variedades locais para o benefício de Arbequina, Arbosana, Koroneiki e Picual. A necessidade, uma vez que quase 50% das exportações de azeite Português visa precisamente Espanha

Portugal é um dos países fundadores do Conselho Oleícola Internacional em 1959 e será o país-sede do Comité Consultivo de Coi, em 18 de maio.

Portugal é a quarta força produtiva Europeia, depois da Espanha, Itália e Grécia e nos últimos 10 anos, a olivicultura Português tem muito desenvolvido.

De acordo com dados do azeite Português Com cobre 352.000 hectares, 23% dos quais são irrigadas. A região Olivicola mais importante é que do Alentejo, onde há cerca de 50% da superfície de oliva, seguido por Trás-os-Montes (22%), o centro (18%), Ribatejo (7,7%) e Algarve (2,3%) .

O 97,5% dos Olivicola superfície destina-se à produção de petróleo, apenas uma quota piccolossima, por isso, é destinada à produção de azeitonas de mesa.

Hoje cerca de 40% da área de cultivo de oliveiras da região do Alentejo é ocupado por Arbequina, Arbosana, Koroneiki e Picual, suplantando o Carrasquenha, a principal variedade da área.

Os mais difundidos cultivares nativas portugueses, no entanto, é a Galega Vulgar, juntamente com a Cobrançosa, a principal variedade da região de Trás-os-Montes.

Outras variedades importantes são Cordovil de Serpa na região do Alentejo, Verdeal e Madural em Trás-os-Montes e Cordovil de Castelo Branco na região da Beira Interior.

O volume de negócios total da empresa sector do azeite Português quase 95 milhões de euros, o equivalente a 1,36% da produção agrícola em Portugal, onde 495 são fábricas de ativos, 12 refinarias de azeite e 17 plantas para produzir óleo de bagaço .

A produção nacional de azeite quase dobrou na última década, passando de 60 000 toneladas em 2005 para a corrente 109.000, dos quais 78% é extra virgem, virgem e 17% 4% claro.

Olhando para as exportações de petróleo portugueses vai notar de imediato como a Espanha absorvem quase 50%, praticamente a totalidade da quota de óleos Arbequina, Arbosana, Koroneiki e Picual. Plantas muitas vezes feitas de investidores ibéricos.


24% de óleo de Português, em seguida, toma o caminho do Brasil, com o qual Portugal sempre teve relações comerciais privilegiadas, seguida pela Itália (14%) e quotas, em seguida, mais baixas em Angola (3%) e França (2%) até 0,5% na Alemanha.

No geral Portugal vende no exterior de petróleo, especialmente de oliva extra virgem (81%), seguido de azeite (11%) e óleo de bagaço de azeitona (8%).

Por TN
05 abril de 2017 em Traços
Teatro Naturale 

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum